GracieMag News

Cartas de Helsinque (por Renzo Gracie)

Helsinque, 21 de setembro de 2017

Renzo Gracie falando. Já estou na Finlândia, onde vou me divertir neste domingo lutando com meu velho amigo Sanae Kikuta no ADCC.

Talvez você nem fosse nascido quando eu e ele lutamos no Pride 2, em fevereiro de 1998.

Dizem que o melhor momento pra plantar uma árvore foi vinte anos atrás. E o segundo melhor é agora.

Então, aos 50 e poucos anos, eu não poderia estar mais grato por ser convidado para lutar profissionalmente. E não pense que esta vai ser minha última luta.

Outro dia eu estava lá na minha academia, dizendo para o Luca – meu parceiro na Gallerr, que eu estou entrando em forma.

Aí ele disse, “Mas, Renzo, a luta é nesta semana”.

Respondi, “A luta, não – uma luta. E aí, eu vou me divertindo um pouco enquanto entro me forma”.

Machuquei meu LCA uns dias antes da minha última luta de submission contra o Sakuraba, e agora, quase três anos depois, estou ficando pronto de novo.

Então, já que meu corpo está bem, eu me fiz a seguinte pergunta: por que não fazer um bando de lutas antes do fim do ano? Esse vai ser meu objetivo.

Mas chega de falar de mim. Aproveitemos esta oportunidade pra falar de você.

  • Como anda o teu treinamento?
  • Acha que eu posso te ajudar a alcançar as tuas metas?
  • Por favor, me diga. Fale comigo no Facebook, Instagram, ou passe na minha academia.

Enquanto isso, eis o que posso fazer:

Até a meia-noite do dia da minha luta contra o Kikuta (domingo, 24 de setembro), pedi à Gallerr que desse 50% de desconto no meu curso “Dominando o Jiu-Jitsu”.

Você pode estar se perguntando, “Mas o que é ‘Dominando o Jiu-Jitsu’?”.

A gente fez até um e-book gratuito em que você pode ver como é acessível o curso. É como um bê-á-bá do jiu-jitsu.

Baixe agora o e-book, e veja como organizamos uma material de altíssima qualidade.

Vou te dizer algumas coisas (na verdade, 13 coisas) sobre o curso.

1. A gente produziu 225 vídeos inéditos. Isso mesmo – 225!

2. Veja minhas técnicas preferidas, incluindo segredos da guilhotina, e sua história.

3. Fugas (por exemplo, você sabe se livrar dum triângulo arrochado?).

4. Temos muitos convidados: Frankie Edgar, Tom DeBlass, Gregor, Cachorrão, Neiman, e muitos outros.

5. Entrevistas: eu geralmente falo pra caramba, né? E nesse curso não é diferente. Mas o legal é que no curso não sou só eu que falo… Escute o John Danaher, e garanto que você sairá mais inteligente.

 6. Entenda os conceitos por trás das técnicas. Sabia que uma das coisas que podem te impedir de finalizar é o movimento de mola? Use-o a teu favor.

7. O que é uma postura de “buscar o bote”? Entenda-a e desenvolva-a, que ela pode te ajudar em outros aspectos da vida.

8. Técnicas de defesa pessoal. Imagine ser pego de surpresa num mata-leão. Pode ficar tranquilo. Já passei por isso e tive que bolar uma saída. Agora você vai saber a solução, graças a minha desventura.

9. Olha: se você não sabe escapar das várias maneiras como pode ser pego numa gravata, é melhor aprender, pois você provavelmente vai acabar enfrentando um judoca forte que vai te botar nessa situação.

10. Dentre muitas posições de guarda que ensinamos ao longo do curso, devo frisar o ataque e a raspagem com mão na gola – uma das preferidas do meu tio Rilion, e um jeito letal de defender a guarda.

11. Sabia que você pode até finalizar com a americana? E que – mais impressionante ainda – você pode fazer debaixo do seu oponente no cem-quilos?

12. Fundamentos. O curso “Dominando o Jiu-Jitsu” contém muitos fundamentos. Muitos, mesmo. De todas as coisas que listei, são essas que vão te fazer mais forte. Então, por favor, não as ignore.

13. Acho que eu já comentei, mas vale a pena falar de novo. O curso tem 225 (duzentos e vinte e cinco!) minivídeos?

Confie no conselho deste cinquentão: aproveite esta oferta-relâmpago e inscreva-se agora neste curso. Eu garanto que você vai melhorar teu jiu-jitsu.

Mas, se não melhorar, é só mandar um e-mail pro Luca. É só dizer que o curso é péssimo e que você quer o reembolso; você tem uma semana pra fazê-lo. Então não tem nada a perder. Inscreva-se agora e vire parte da nossa família.

Já se você gostar, por favor, diga-nos. Diga algo no Instagram sobre o curso, e marque as contas @gallerrapp e @renzograciebjj. Terei prazer em comentar e até repostar, se você for criativo.        

Te vejo no domingo.

— Renzo Gracie.     

P.S.1: Curiosidade: ganhei o primeiro ADCC em 1998 poucos dias depois de lutar contra o Sanae Kikuta no Japão por mais de 50 minutos. Neste domingo, serão 15 minutos, no máximo. A vida é bem mais fácil hoje em dia.

P.S. 2: Darei a um de vocês, autografada, a rash guard que vou vestir no domingo no ADCC. Se se inscrever até domingo no curso, você pode ser o ganhador. Corre lá!

Lutador mais novo da história do ADCC completa a lista do evento na Finlândia

Nycky Ryan (por baixo) em duelo sem kimono contra Kennedy Maciel, filho de Rubens Cobrinha. Foto: Gallerr

Lista fechada para o ADCC 2017, evento que rola neste final de semana, nos dias 23 e 24 de setembro, em Helsinque, na Finlândia. Após o entra e sai de atletas por conta de lesões e outros contratempos, a lista definitiva foi divulgada nesta quinta-feira, dia 21, e traz algumas surpresas.

Além da adição de última hora de Jackson Sousa, faixa-preta da Checkmat que assume a vaga restante na divisão até 99kg, no lugar do companheiro de equipe Luiz Panza, um jovem atleta americano entra para a disputa e já faz história no torneio.

Nicky Ryan, aluno de John Danaher na academia de Renzo Gracie, em Nova York, assume o último espaço na lista até 66kg. O detalhe a ser observado, porém, são os 16 anos de idade que a fera possui, que o torna o competidor mais jovem da história do ADCC.

Antes de Nicky, outro nome estava escalado para conquistar o mesmo recorde. Elisabeth Clay, vencedora da seletiva do ADCC e também de 16 anos, teve que sair da competição após se lesionar.

Nicky, irmão de Gordon Ryan, atleta que compete na divisão até 88kg, viajou para a Finlândia para acompanhar os integrantes da sua equipe e com a esperança de ter uma vaga no torneio. Com a saída de Justin Rader, o lugar ficou livre para Nicky assumir e batalhar pelo ouro com outros craques da divisão.

Veja a lista final abaixo e fique ligado no GRACIEMAG.com e em nossas redes sociais para saber de tudo sobre o ADCC 2017!

 

Até 66kg

Rubens Cobrinha
Uranov Zhakshylyk
Janusz Andrejczuk
Pablo Mantovani
Paulo Miyao
Yuta Shimada
Ethan Crelinsten
Kuba Witkowski
Geo Martinez
Augusto Tanquinho
AJ Agazarm
Baret Yoshida
Nicolas Renier
Kamil Wilk
Erno Elgland
Nicky Ryan

Até 77kg

Lachlan Giles
Tero Pyylampi
Mansher Khera
Felipinho Cesar
Marcelo Lapela
Osmanzan Kassimov
Vagner Rocha
Oliver Taza
Garry Tonon
Lucas Lepri
JT Torres
DJ Jackson
Celsinho Venicius
Leonardo Cascão
Enrico Cocco
Sergio Ardila

Até 88kg

Craig Jones
Jesse Urholin
James Brasco
Murilo Santana
Kaynan Casemiro
Kit Dale
John Salter
Piotr Marcin Frechowicz
Romulo Barral
Keenan Cornelius
Gordon Ryan
Pablo Popovitch
Xande Ribeiro
Leandro Lo
Dillon Danis
Rustan Chsiev

Até 99kg

Roman Dolidze
Kamil Uminski
Eliot Kelly
Mahamed Aly
Salomão Ribeiro
Yukiyasu Ozawa
Paul Ardila
Abdurakhman Bilarov
Yuri Simões
Dean Lister
Rafael Lovato
Felipe Preguiça
João Assis
Jake Shields
Mike Perez
Jeff Monson
Jackson Sousa

Acima de 99kg

Orlando Sanchez
Arman Zhanpeisov
Khamzat Stambulov
Tom DeBlass
Victor Honório
Hideki Sekine
Casey Hellenberg
Abdulaev Ruslan
Vinny Magalhães
Marcus Buchecha
Roberto Cyborg
Jared Dopp
Tim Spriggs
Janne-Pekka Pietiläinen
Bruno Bastos
Jesseray Childrey


Feminino

Até 60kg

Mackenzie Dern
Bia Basílio
Rikako Yuasa
Ffion Davies
Michelle Nicolini
Beatriz Mesquita
Talita Alencar
Elvira Karppinen

Acima de 60kg

Talita Treta
Tara White
Samantha Cook
Gabi Garcia
Jessica Flowers
Amanda Santana
Venla Luukkonen
Marysia Malyjasiak

Superlutas

Renzo Gracie x Sanae Kikuta
André Galvao x Cláudio Calasans
Chael Sonnen x Léo Vieira

A luta de Shamrock e Dan Henderson que inspirou a criação do ADCC

Renzo Gracie e Xeque Tahnoon em foto de Luca Atalla.

Contam que o príncipe Tahnoon bin Zayed, um jovem árabe cursando a universidade de negócios e finanças em San Diego, estava fascinado pelo Jiu-Jitsu, e sonhava promover um evento em que o os lutadores de Jiu-Jitsu se testassem contra craques de outras modalidades em lutas agarradas, sem soco ou chute, para que o duelo corresse (ou deslizasse) bem, com mais embolas e finalizações do que nocautes.

Primeiro professor do xeque, o faixa-preta Nelson Monteiro se recorda: “O Tahnoon sonhava em promover um evento entre as diferentes modalidades no seu próprio país, mas entendia que o seu pai, o rei Zayed bin Sultan Al Nahyan (1918–2004), não aprovaria um torneio com jeitão de vale-tudo, com sangue rolando.”

Foi quando surgiu na Califórnia o torneio Contender, em 1997, com duelos como a superluta sem kimono entre os bambas do MMA Frank Shamrock e Dan Henderson. Reza a lenda que Tahnoon teria ouvido falar do evento, curtido o formato, as regras e a repercussão. Estava, assim, criado o ADCC, que em 1998 levaria dezenas de campeões de Jiu-Jitsu, judô, luta olímpica e luta-livre a Abu Dhabi.

Reveja, às vésperas do ADCC 2017 na Finlândia, já na 12ª edição do torneio de Tahnoon, a luta sem pano (e com tênis!) que inspirou o mais charmoso e longevo dos eventos de luta agarrada.

Defesa de facada no Jiu-Jitsu, com mestre Pierino De Angelis

Aula de defesa pessoal de mestre Pierino De Angelis, pai de Muzio, na Gávea. Foto: Arquivo pessoal

Mestre de Jiu-Jitsu com base forte na defesa pessoal, Pierino de Angelis segue firme nas aulas que mais trazem confiança aos alunos na academia Brasa, na Gávea.

Ao lado do seu filho Muzio De Angelis, parceiro de longa data de GRACIEMAG e árbitro da IBJJF, mestre Pierino mostrou como defender um ataque de faca quando o golpe vem de baixo para cima.

Com técnica apurada, o aluno do mestre João Alberto Barreto coloca as mão cruzadas para conter o golpe, e com a vantagem da posição dos braços já aplica a torção da chave de braço, que libera a arma da mão do agressor enquanto finaliza.

Veja no vídeo abaixo os detalhes do golpe e busque uma academia GMI para aprender Jiu-Jitsu!

Muzio De Angelis Jiu-Jitsu / Brasa Clube de Jiu-Jitsu
Praça Santos Dumont, nº 62, Gávea, Rio de Janeiro
# (21) 99417-0233/ 21 3518-7202
muziodeangelis@hotmail.com
www.muziodeangelis.com

Jiu-Jitsu: Carlão Santos ensina queda com finalização na GMI First BJJ Center

Suyan Queiroz e Carlão Santos na GMI First em Utah, nos EUA. Foto: Reprodução

Para o competidor que gosta de ter na manga um queda forte que seja aplicável em todos os treinos e campeonatos, nosso GMI Carlão Santos, da academia First BJJ Center em Utah, já tem sua opção preferida.

Carlão, faixa-preta líder da First ao lado do também professor Suyan Queiroz, ensinou uma queda simples e eficaz, que aplica desde os tempos de faixa-azul e aprimorou ao longo dos anos, tanto é que a utiliza até hoje.

No detalhe da posição, Carlão domina a gola do adversário e rechaça a pegada do oponente. Em seguida, agarra a faixa do adversário ainda em pé, para aplicar a alavanca com o gancho da perna, derrubar e cair no cem-quilos. Para terminar, o professor ainda deixa uma opção de finalização no estrangulamento.

Veja os detalhes da posição no vídeo abaixo e aprenda o melhor do Jiu-Jitsu com a nossa equipe de GMIs!

Jiu-Jitsu: Wilson Ulhôa, da GMI Domo, ensina queda sorrateira

Aprenda os detalhes da queda e comece na frente. Foto: Reprodução

Começar com a vantagem no duelo de Jiu-Jitsu pode ser a diferença entre a vitória e a derrota. Para nossos amigos do Centro de Treinamento Domo, academia GMI em Vitória no Espírito Santo, uma queda sorrateira pode resolver a situação.

O professor Wilson Ulhôa, faixa-preta que leciona na academia, gosta de ter as pegadas dominantes na troca em pé, e tirar da cartola uma puxada com desequilíbrio para derrubar o oponente.

Repare como Wilson domina a faixa com uma das mãos, enquanto a outra vai na manga e serve como chave para girar o eixo adversário para iniciar a queda.

Veja a posição em detalhes no vídeo abaixo e não deixe de visitar o Centro de Treinamento Domo para aprender mais técnicas!

Domo Centro de Treinamento
Rua Alvim Soares Bermudes, 85
Morada de Camburi, Vitória
# (27) 3225-0468 / 99840-5350
Email: contato@ctedomo.com.br
Site: CTEDOMO.com.br
Instagram: @ctedomo

Armlock da guarda: Roger Gracie ensina o segredo para o braço não escapar

Aprenda com Roger Gracie os detalhes para não perder o armlock. Foto: Reprodução

Dono de um Jiu-Jitsu simples e letal, com extremo refino nas posições, Roger Gracie esteve no Rio de Janeiro recentemente, para levantar a galera no Gracie Pro e ensinar ao mundo o valor dos fundamentos básicos.

O Gracie dez vezes campeão mundial fez na ocasião uma visita à academia do amigo Kléber Paulino “Buiú”, num seminário concorridíssimo entre alunos da GB.

Ao ensinar seu armlock da guarda favorito, Roger contou que aprendeu com um aluno a deixar a chave de braço mais incômoda ao trocar a mão que vai na gola, e como ele gosta de controlar a postura do adversário.

O Gracie mostrou como usa as pernas para não permitir que o oponente livre o braço, e outros detalhes inestimáveis para o seu Jiu-Jitsu.

Veja no vídeo abaixo e refine ainda mais o seu jogo de guarda, amigo leitor de GRACIEMAG.

Após nocautear no UFC, Gilbert Durinho está fora do ADCC 2017

Durinho desfalca o ADCC após sucesso no UFC. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images

Dois atletas do UFC, ambos brasileiros, estavam escalados para disputar o ADCC 2017, nos dias 23 e 24 de setembro na Finlândia. Agora, apenas Augusto Tanquinho estará no páreo, já que Gilbert “Durinho” Burns está fora do evento.

Após atuar e vencer no UFC Pittsbuburgh, com belo nocaute sobre Jason Saggo, Durinho deixa o evento de luta agarrada por conta de uma lesão adquirida no octógono.

Em conversa com GRACIEMAG, Durinho informou que está com o tornozelo machucado, por conta dos chutes aplicados na luta de três assaltos do Ultimate. Com a lesão, Durinho deixa desfalcada a divisão até 77kg do evento.

Para substituir o craque, o ADCC tem alguns nomes famosos na manga, mas segundo apurou GRACIEMAG, por conta da proximidade do evento e dos possíveis conflitos de equipe na categoria, o mais provável é que um atleta finlandês entre para completar a divisão.

Confira abaixo como fica a lista atualizada e acompanhe conosco as informações mais quentes do ADCC 2017!

Confira como fica a lista atualizada!

Até 66kg

Rubens Cobrinha
Uranov Zhakshylyk
Janusz Andrejczuk
Justin Rader
Pablo Mantovani
Paulo Miyao
Yuta Shimada
Ethan Crelinsten
Kuba Witkowski
Geo Martinez
Augusto Tanquinho
AJ Agazarm
Baret Yoshida
Nicolas Renier
Kamil Wilk
Erno Elgland

Até 77kg

Lachlan Giles
Tero Pyylampi
Mansher Khera
Felipinho Cesar
Marcelo Lapela
Osmanzan Kassimov
Vagner Rocha
Oliver Taza
Garry Tonon
Lucas Lepri
JT Torres
DJ Jackson
Celsinho Venicius
Leonardo Cascão
Enrico Cocco

Até 88kg

Craig Jones
Jesse Urholin
James Brasco
Murilo Santana
Kaynan Casemiro
Kit Dale
John Salter
Piotr Marcin Frechowicz
Romulo Barral
Keenan Cornelius
Gordon Ryan
Pablo Popovitch
Xande Ribeiro
Leandro Lo
Dillon Danis
Rustan Chsiev

Até 99kg

Roman Dolidze
Kamil Uminski
Eliot Kelly
Mahamed Aly
Salomão Ribeiro
Yukiyasu Ozawa
Paul Ardila
Abdurakhman Bilarov
Yuri Simões
Luiz Panza
Dean Lister
Rafael Lovato
Felipe Preguiça
João Assis
Jake Shields
Mike Perez
Jeff Monson

Acima de 99kg

Orlando Sanchez
Arman Zhanpeisov
Khamzat Stambulov
Tom DeBlass
Victor Honório
Hideki Sekine
Casey Hellenberg
Abdulaev Ruslan
Vinny Magalhães
Marcus Buchecha
Roberto Cyborg
Jared Dopp
Tim Spriggs
Janne-Pekka Pietiläinen
Bruno Bastos
Jesseray Childrey


Feminino

Até 60kg

Mackenzie Dern
Bia Basílio
Rikako Yuasa
Ffion Davies
Michelle Nicolini
Beatriz Mesquita
Talita Alencar
Elvira Karppinen

Acima de 60kg

Talita Treta
Tara White
Samantha Cook
Gabi Garcia
Jessica Flowers
Amanda Santana
Venla Luukkonen
Marysia Malyjasiak

Superlutas

Renzo Gracie x Sanae Kikuta
André Galvao x Cláudio Calasans
Chael Sonnen x Léo Vieira

 

SP Open de Jiu-Jitsu: Erberth Santos fatura absoluto e muda de equipe

Erberth após a vitória sobre Dimitrius Souza na final do absoluto faixa-preta. Foto: Marco Aurélio/IBJJF

Rolou em Barueri, no último final de semana, mais uma edição do São Paulo International Open. O sábado foi separada para as disputas de kimono, enquanto no domingo os atletas voltaram para duelas sem pano.

Nas disputa de paletó, quem ficou com o absoluto foi Erberth Santos. Após estourar na balança para a disputa do peso, a fera se jogou apenas no aberto, e venceu a final contra o rival de muitas disputas de título Dimitrius Souza (Alliance). Após o combate, Erberth revelou que não fará mais parte da Almeida JJ, e que formará sua própria equipe, a ES Team.

Em papo com GRACIEMAG, Erberth deu mais detalhes: “A equipe não estará associada com nenhum outro time. Eu vou continuara fazer eventuais camps na equipe do André Galvão, e quando assim for eu lutarei pela equipe dele. Quando não fizer, representarei apenas a minha equipe.”

Um dia especial! Estava com muitas saudades de voltar a competir e sentir essa vibração, ansiedade e adrenalina da competição, graças a Deus deu certo e consegui ser campeão Absoluto de Kimono. Gostaria de dizer que essa foi a minha última competição representando a equipe que me acolheu e que eu tive a honra de representar e ser campeão Mundial, a Almeida JJ faz parte da minha história e que eu sou muito grato a todos, em especial ao Caio, Diogo e Gustavo!! Obrigado de coração por tudo que fizeram por mim!! Mas essa é uma migração especial, um novo passo e uma oportunidade para realizar meus projetos, por isso anuncio aqui em primeira mão, a minha tão sonhada equipe: a ES TEAM “esquadrão de jiujitsu Brasileiro” !!!! Daqui pra frente é ela que eu representarei. Espero poder dar oportunidade a novos atletas conseguirem viver do jiu-jitsu como eu consegui, na ES poderei passar um pouco do que aprendi no mundo do Jiu-Jitsu e auxiliar na formação dos potenciais dos atletas! Em breve trarei mais novidades aqui!! Oss!!

Uma publicação compartilhada por Erberth Santos #EuVouTeMotivar (@erberthsantos) em Set 16, 2017 às 3:51 PDT

No feminino, Bia Basílio (Almeida JJ) faturou ouro duplo com as conquistas no peso leve e em seguida o no absoluto, após bater Carina Santi (G13), campeã peso pesado, na final do aberto.

Nas disputas sem kimono, quem brilhou na faixa-preta foram os atletas Rubens Pedroso (NS Brotherhood) e Renata Marinho (Alliance), ambos com ouro tanto em suas respectivas divisões de peso quando no absoluto. Outro destaque na disputa sem kimono ficou para o atleta do UFC Matheus Nicolau, que faturou o título na divisão de peso-pena.

Confira abaixo os campeões na faixa-preta, das disputas com e sem kimono!

Kimono

 

PRETA / Adulto / Masculino / Galo 1 – Claudio Henrique de Souza – Fernando Boi JJ 2 – Tharcisio Luiz Teixeira B. Silva – Alliance

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Pluma 1 – Cleber de Sousa Fernandes – Atos Jiu-Jitsu 2 – Douglas Rufino da Silva – Caio Terra Association Brasil 3 – Bruno Henrique Cabral – Qatar BJJ – Brasil 3 – Jorge Luiz Nakamura – GF Team

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Pena 1 – Isaque Alberto de Oliveira Paiva – Saikoo Jiu-Jitsu 2 – Pedro Petrônio Valença Neto – PSLPB Cicero Costha 3 – Bruno David Fonseca – GF Team 3 – Hélio Xavier dos Santos – GF Team

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Leve 1 – Jacob Williams Mackenzie – GF Team 2 – Ricardo Rocha Lima – Ns Brotherhood BJJ 3 – Carlos Eduardo Barroso da Silva – Pedra 90 3 – Victor de Matos – Zenith BJJ

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Médio 1 – Sandro Gabriel Vieira – Caio Terra Association Brasil 2 – Diego Vivaldo Anjos Ferreira – Guigo JJ 3 – Frederico Pinto Cesar de Almeida – Otávio de Almeida 3 – Ygor Machado Dantas – UAE Jiu-jitsu Team

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Meio-Pesado 1 – Victor Del Corso Bomfim – GF Team 2 – Wellington Luís Sebastião – Ns Brotherhood 3 – Matheus Spirandeli Souza – Ns Brotherhood

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Pesado 1 – Dimitrius Soares Souza – Alliance 2 – Hebert Penido das Dores Junior – Gracie Barra 3 – Arthur Servino da Silva – CheckMat 3 – Eberson Luna – G13 Jiu-Jitsu

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Super Pesado 1 – Guilherme Augusto Soares Santos – Alliance 2 – Hugo Leonardo B. Ferreira da Silva – CheckMat 3 – Andre Rudolfo – Zenith BJJ

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Pesadíssimo 1 – Igor Gregório Schneider – Ns Brotherhood 2 – Kitner Mendonça de Moura – JFC Almeida JJ 3 – Fernando Estefam Siebra de Brito – FJJC 3 – Otavio Tome Serafim – Alliance

 

 

PRETA / Adulto / Masculino / Absoluto 1 – Erberth Santos de Mesquita – JFC Almeida JJ 2 – Dimitrius Soares Souza – Alliance 3 – Guilherme Augusto Soares Santos – Alliance 3 – Igor Gregório Schneider – Ns Brotherhood

 

 

PRETA / Adulto / Feminino / Leve 1 – Bianca Barbosa Basilio – JFC Almeida JJ

 

 

PRETA / Adulto / Feminino / Médio 1 – Renata Marinho Moreira – Alliance

 

 

PRETA / Adulto / Feminino / Pesado 1 – Carina Curvelo Santi – G13 Jiu-Jitsu 2 – Fernanda Mazzelli Almeida Maio – Striker JJ

 

 

PRETA / Adulto / Feminino / Absoluto 1 – Bianca Barbosa Basilio – JFC Almeida JJ 2 – Carina Curvelo Santi – G13 Jiu-Jitsu

3 – Renata Marinho Moreira – Alliance

Sem kimono

 

PRETA / Adulto / Masculino / Pluma 1 – Jorge Luiz Nakamura – GF Team PRETA / Adulto / Masculino / Pena 1 – Matheus Nicolau Pereira – Rodrigo Freitas Brazilian Jiu-Jitsu 2 – Felipe Brito de Senna – GF Team 3 – Marcio Ferreira do Nascimento – Colisão Jiu-Jitsu 3 – Pedro Petrônio Valença Neto – PSLPB Cicero Costha PRETA / Adulto / Masculino / Leve 1 – Thiago Cardial Gaia – BARBOSA JIU-JITSU 2 – Edson Francisco de Oliveira – BARBOSA JIU-JITSU 3 – Juliano Silva Rocha – Atos Jiu-Jitsu 3 – Victor de Matos – Zenith BJJ PRETA / Adulto / Masculino / Médio 1 – Leonardo Abe Travagin – BARBOSA JIU-JITSU 2 – Frederico Pinto Cesar de Almeida – Otávio de Almeida 3 – Bruno Rafael Viana Pereira – Ns Brotherhood 3 – Victor Inacio de Mendonça Neto – BARBOSA JIU-JITSU PRETA / Adulto / Masculino / Meio-Pesado 1 – Edson Antonio de Oliveira Filho – Alliance 2 – Mailson D. Oliveira Leal – Norfight 3 – Andre de Souza Duarte – Syon Jiu-Jitsu 3 – Bruno de Souza Vieira – Campeões Esperança Jiu-Jitsu Team PRETA / Adulto / Masculino / Pesado 1 – Rubens Pedroso – Ns Brotherhood 2 – Victor Del Corso Bomfim – GF Team 3 – Arthur Servino da Silva – CheckMat 3 – Felipe Augusto Mussolino Tincani Paula – CheckMat PRETA / Adulto / Masculino / Super Pesado 1 – Hélio Timbo Mourão – Gracie Barra 2 – Andre Rudolfo – Zenith BJJ 3 – Luiz Felipe Ramalho – Demian Maia Jiu-Jitsu PRETA / Adulto / Masculino / Pesadíssimo 1 – Kitner Mendonça de Moura – JFC Almeida JJ 2 – Otavio Tome Serafim – Alliance 3 – Fernando Estefam Siebra de Brito – FJJC 3 – Hugo Leonardo B. Ferreira da Silva – CheckMat PRETA / Adulto / Masculino / Absoluto 1 – Rubens Pedroso – Ns Brotherhood 2 – Fernando Estefam Siebra de Brito – FJJC 3 – Leonardo Abe Travagin – BARBOSA JIU-JITSU 3 – Thiago Cardial Gaia – BARBOSA JIU-JITSU PRETA / Adulto / Feminino / Médio 1 – Renata Marinho Moreira – Alliance PRETA / Adulto / Feminino / Absoluto 1 – Renata Marinho Moreira – Alliance

 

Mackenzie Dern sobe para o peso-mosca e volta ao MMA em outubro, no LFA

Mackenzie Dern após sua vitória sobre Katherine Roy. Foto: Divulgação

Em reta final de preparação de olho no ADCC 2017, que rola neste final de semana na Finlândia, Mackenzie Dern já tem nos planos seu próximo desafio nas grades do MMA.

Ela, que parte em defesa do seu título até 66kg no ADCC, anunciou em suas redes sociais que seu próximo duelo nos cages será no dia 13 de outubro, no LFA 24, na divisão de peso-mosca (até 57kg).

Invicta no MMA com três sucessos, Mackenzie terá pela frente Mandy Polk (3v, 3d), em evento agendado para rolar em Phoenix, no Arizona, EUA.

Mackenzie acumulou suas três vitórias no peso-palha, mas recentes problemas no corte de peso para atuar em outros eventos de Jiu-Jitsu podem indicar que a chegada da fera nos 52kg, peso limite da antiga divisão, era mais complicado do que aparentava.

E para você, amigo leitor, Mackenzie terá o mesmo sucesso entre os pesos-moscas que teve durante a atuação no peso-palha? Comente conosco!

Veja os destaques da 2° Copa Armlock de Jiu-Jitsu, em Fortaleza

Alex Osterno (kim.branco) foi campeão meio-pesado na faixa-marrom. Foto: Divulgação

O ginásio da Faculdade Estácio-Centro em Fortaleza, atual point do Jiu-Jitsu cearense, recebeu no dia 10 de setembro a 2ª Copa Armlock. Com um público estimado pelos organizadores de cerca de mil visitantes, a festa do Jiu-Jitsu foi em alto estilo e nas áreas de luta mais de 500 atletas – vindos de todos os cantos do Ceará, abrilhantaram ainda mais a competição.

Quem ficou com o título máximo da faixa-preta foi Ítalo Gonçalves, depois do árbitro Rômulo Leandro revogar o resultado do combate entre ele e Matheus Carlos. No término do tempo estipulado, Rômulo levantou o braço de Matheus, mas depois reconheceu o erro na contagem e deu a vitória para Ítalo. Matheus que ficou com o ouro peso-pena, acatou a decisão.

Já no master, Samuel Falcão (GC-Pepey) mostrou que chegou bem na gradualçao maior, faturando o peso médio e o aberto leve. No absoluto livre, que ficou com a medalha dourada foi o sobralense David Gonçalves (Nova União).

Ainda entre os pretas, mas na faixa etária sênior, Hermes França voltou a brilhar e arrastou o meio-pesado e o absoluto. Por falar nesse pódio absoluto, ele foi formado só por campeões, como o vice Nazareno Gomes (Evolution), númerto 1 do médio, Napoleão Cavalcante (BD Team) melhor do pesado e David de Souza (BD Team) dono da super-pesado.

Na faixa-marrom, o líder do Ranking MEIAGUARDA Jonas Bruno aumentou ainda mais sua vantagem, faturando ouro duplo. Outros que brilharam foram Kildere Souza (MG), que venceu na médio, além de Alex Osterno (Nova União) campeão no meio-pesado e Fernando Kylderi (Cicero Costha) ouro no pesadíssimo.

Na graduação roxa, Gabriel Magalhães (Nova União) que já havia faturado o ouro no meio-pesado, repetiu a dose no absoluto livre. Quem fez o mesmo foi Antonio Filho (Nova União) ouro duplo no peso leve e no aberto leve. Já o potiguar Fellype Rocha (Carlson Gracie-Mossoró) campeão no médio e no absoluto pesado.

Entre as academias, além da campeã Nova União, foram bem a GC-Pepey, no segundo posto, e a BD Team, em terceiro.

(Fonte: Assessoria de imprensa)

Vídeo: Cauã Reymond treinando Jiu-Jitsu com Alexandre Paiva na Alliance Rio

Cauã Reymond faz sua guarda favorita contra Gigi Paiva, na Alliance Rio, no Leblon. Foto: Daniel Amaral/Gallerr.

Antes de se consagrar como astro da televisão e do cinema brasileiro, Cauã Reymond era um competidor e praticante apaixonado por Jiu-Jitsu.

Faixa-preta de Alexandre “Paiva” Gigi na nossa GMI Alliance Rio, Cauã matou a saudade das raspagens em divertida sessão de fotos para a capa da edição #247 de GRACIEMAG, já nas bancas e também em formato digital.

Na entrevista dada à equipe GRACIEMAG, Cauã relembrou seus primeiros treinos com Fernando Tererê & cia, revelou como o Jiu-Jitsu contribuiu para o seu crescimento como pessoa e como ator, e lembrou até de algumas enrascadas das quais só escapou graças ao Jiu-Jitsu.

No vídeo a seguir, Cauã mata a saudade dos treinos com Gigi e mostra sua raspagem preferida, a partir da guarda-X.

Confira e assine já a revista que ensina o mais puro Jiu-Jitsu há mais de 20 anos, na versão nas bancas ou na nova edição digital!

Chegou a revista digital GRACIEMAG, clique abaixo e leia no seu celular!

Grandes heróis que nos inspiram: Dan Henderson, o campeão de quase tudo

Dan Henderson, em foto de Erik Fontanez/GRACIEMAG.

Após disputar 47 lutas de MMA em 46 anos de vida, Dan pode ser apontado como o mais valente dos lutadores modernos; afinal, ninguém enfrentou tantos ícones do esporte de maneira tão destemida.

Já vimos muitos atletas gabarem-se de que lutam contra qualquer oponente, mas, depois… São tantas exigências e tantos empecilhos criados que acabam por jamais encaram seus adversários mais perigosos.

E hoje a situação piorou: temos campeões recém-empossados escolhendo lutas e preferindo “money fights” (lutas mais rentáveis e sem tanto mérito esportivo) a defenderem seus cinturões contra desafiantes mais bem ranqueados. Por isso digo, sem pestanejar, que não se fazem mais lutadores como o velho Hendo.

Daniel Jeffery Henderson nunca recusou uma luta, nunca arrumou desculpas. Enfrentou quase todos os grandes lutadores de sua era, em diferentes categorias de peso. Casos de Rodrigo Minotauro, Daniel Cormier, Vitor Belfort, Rich Franklin, Wanderlei Silva, Yuki Kondo, Maurício Shogun, Quinton Jackson, Lyoto Machida, Ricardo Arona, Renato Babalu, Gerard Mousasi, Murilo Bustamante, Rashad Evans, Michael Bisping, Renzo Gracie e Rogério Minotouro, para ficar em apenas alguns. Sempre sério, discreto e profissional, nem os maiores lutadores de MMA de todos os tempos lhe intimidavam – pelo contrário: Henderson duelou contra Anderson Silva (no UFC 82) e derrubou o Último Imperador Fedor Emelianenko (no StrikeForce: Fedor vs Henderson).

Mas a passagem dos anos e as sequelas das batalhas começaram a cobrar seu preço. Não estou falando da perda dos dentes ou dos cabelos, medos que afligem muitos homens. O americano já não contava com isso há muitos anos. (Ele quebrou os dentes da frente ainda na época em que era um wrestler olímpico, enquanto possuía “clareiras avançadas” na cabeça desde os 30 e poucos anos).

Seu estilo de luta era baseado na combinação de três fatores: mãos pesadas, boas quedas e um queixo extremamente duro. Com a idade, o vigor já não era o mesmo e não havia fôlego para derrubar constantemente os adversários. O queixo, que havia permanecido por 39 lutas sem sofrer um nocaute, não se recuperou totalmente das mãos de Vitor Belfort em 2013 e passou a falhar.

A única coisa que permaneceu imutável foi a notória “bomba H”, o mais mortal soco de direita já visto no esporte. Uma arma poderosíssima, permanentemente engatilhada e que podia apagar qualquer oponente com um único disparo certeiro. Por mais que a “bomba H” continuasse sendo sua companheira perigosa e inseparável, Hendo passou a depender exclusivamente dela. Era sua muleta, seu cão guia. O tempo estava reduzindo Dan Henderson a um lutador unidimensional.

Daí veio a sequência de seis derrotas em suas últimas nove lutas. Tudo bem que as três vitórias foram nocautes espetaculares, mas todos se perguntavam até onde o “vovô” Henderson iria. Após ser campeão do Grand Prix do UFC 17, do torneio Rings, das categorias até 84kg e 93kg do Pride (simultaneamente!) e do StrikeForce na divisão meio-pesado, só lhe faltava mesmo o cinturão do UFC. Contudo, essa hipótese parecia cada vez mais improvável.

Eis que, numa inimaginável combinação de sorte, oportunidade e marketing, Michael Bisping virou campeão e – estimulado pelo apelo dos fãs e pela vontade de se vingar da derrota mais humilhante de sua carreira (o nocaute acachapante sofrido no UFC 100) – o inglês passou a pedir para enfrentar Henderson em sua primeira defesa de cinturão.

E então, no UFC 204, em 8 de outubro de 2016, Dan Henderson pisou no octógono da Manchester Arena para disputar sua derradeira batalha, uma última luta após 20 anos de carreira, e pelo título que ainda não tinha.

Li alguns críticos e ouvi muitos amigos dizendo que “os tempos eram outros”, que “o raio não cairia duas vezes no mesmo lugar” e diversos clichês para menosprezar as chances de Henderson vencer essa luta. Racionalmente, eles até podiam ter razão quanto ao favoritismo de Bisping. Mas, no momento em que a “bomba H” atingiu o queixo de Bisping e o levou o britânico a knockdown ainda no primeiro round, não houve um cético que não tenha se levantado da cadeira para torcer alucinadamente pelo “vovô”.

Bisping sobreviveu ao duro castigo e voltou melhor para o round seguinte. E não é que, faltando alguns segundos para o final da etapa, Dan acertou outra pancada de direita e o campeão desabou de novo? Nesse momento, todas as frias certezas se esvaíam e se transformavam na emocional esperança de consagração do veterano combatente.

O cansaço, naturalmente, veio para o senhor de 46 anos de idade e o campeão mais jovem, ainda que muito ferido, passou a ter maior volume de jogo. A partir daí, seguiram-se três rounds em que Bisping acertava mais golpes, porém o americano era mais contundente e perigoso. Uma verdadeira guerra de 25 minutos que levava seus protagonistas à exaustão.

Ainda assim, a poucos segundos do fim de sua longa jornada profissional, Hendo inesperadamente se joga no octógono numa improvisada cambalhota. Depois de tantos anos, de tantos golpes, de tanta seriedade, o velho lutador se permitiu, enfim, um momento de descontração e comemoração antes do soar do gongo. Independentemente da decisão dos jurados, partiria do MMA com mais um grande combate, o último momento de aclamação.

Os jurados decidiram pela vitória do campeão Michael Bisping. Vendo o rosto ileso de Hendo e a face desfigurada de Bisping naquele momento, você poderia pensar que os julgadores estavam loucos. Todavia, não estamos falando de uma briga no pátio, em que perde quem sai com “a lataria mais amassada”. No UFC a pontuação é feita round a round, e tivemos três deles muito equilibrados e difíceis de pontuar. Não se pode dizer que foi uma decisão absurda, mas trouxe uma grande frustração para quem viu Hendo lutando suficientemente bem para garantir o cinturão que lhe faltava.

A verdade é que, diante de uma carreira tão bela, essa decisão controversa não tem tanta importância. Pior para o UFC, que não vai ter Dan Henderson em sua galeria de campeões, mas vai ter Bisping, Johny Hendricks e outros menos votados.

Enquanto isso, Daniel Jeffery Henderson caminha sereno rumo ao Valhalla, paraíso viking onde só é permitida a entrada dos guerreiros que deixam suas vidas anteriores após batalhas gloriosas.

Veja o duelo entre José Aldo e Jonathan Pitbull em luta especial de Jiu-Jitsu

Jonathan Pitbull tem o braço levantado após finalizar José Aldo na luta especial do evento. Foto: Reprodução

O último domingo, 17 de setembro, foi um dia especial para dois atletas do Jiu-Jitsu. José Aldo Júnior, ex-campeão do UFC e faixa-preta da Nova União, foi convidado para realizar uma luta especial durante o 4° Sul-Americano da SJJSAF, organização presidida pelo nosso GMI Cleiber Maia.

No duelo de kimono, Aldo encarou o casca-grossa Jonathan Pitbull, atleta faixa-roxa da Nova União que tem síndrome de down. O ginásio estava lotado, todos na intenção de ver José Aldo em ação mais uma vez no Jiu-Jitsu.

O duelo foi marcado pela pressão de Jonathan nos ataques, com bela queda aplicada logo no início e o armlock para decidir a disputa em clima de festa no ginásio do Grajaú Country Club.

Veja no vídeo abaixo a luta especial de José Aldo no Jiu-Jitsu!

GMI: O treino funcional de Jiu-Jitsu na Studio Personal Academy

A repetição pode ser a chave para a vitória no Jiu-Jitsu. Foto: Reprodução

Para melhorar todos os dias no seu Jiu-Jitsu, o atleta e competidor deve planejar os seus treinos de forma inteligente. Além de aprender novas técnicas, a repetição dos movimentos traz ao praticante o refino da posição para executar da maneira mais fácil e eficiente numa situação de combate, seja no treino ou no campeonato.

Pensando nisso, nossa GMI Studio Personal Academy, localizada no Centro do Rio de Janeiro, oferece aos seus alunos uma atividade voltada para os atletas que buscam treinar a repetição dos movimentos com acompanhamento profissional. O treino EMS com drill de Jiu-Jitsu visa aplicar no praticante os benefícios da repetição de movimentos específicos do esporte, com acompanhamento completo da execução dos movimentos.

Veja abaixo um pouco do treino com os faixas-pretas Fernando Portela e Bernardo Ribeiro.

Confira a lista de campeões do San Diego BJJ Pro de Jiu-Jitsu

Patrick Gáudio no alto do pódio peso pesado do San Diego BJJ Pro. Foto: Reprodução

Na intenção de tornar o nosso Jiu-Jitsu cada vez mais profissional, a IBJJF organizou nesse sábado, dia 16, mais uma edição do seu torneio BJJ Pro, que além do ouro premia os melhores atletas com quantias em dinheiro.

Na edição californiana do evento, o San Diego BJJ Pro, grandes nomes do Jiu-Jitsu colocaram suas habilidades em jogo, e os destaques ficaram nas disputas da faixa-preta. No masculino adulto, sem disputa de absoluto, as finais da categoria pagaram 4 mil dólares para o vencedor e mil dólares para o segundo colocado.

Na divisão de peso-pena, Gianni Grippo (Alliance) levou a melhor sobre Hiago George (Cícero Costha) para garantir o cheque. No médio, foi a vez do campeão mundial Otávio Sousa (GB) superar Jaime Canuto (GFTeam) pelo título. Já no pesado, quem brilhou foi Patrick Gáudio (GFTeam) em sucesso sobre Lucas Hulk (Atos). No pesadíssimo, melhor para Gutemberg Pereira (GFTeam) que fez jus a sua recente graduação à faixa-preta e mordeu o cheque da divisão ao bater Gustavo Elias (Ribeiro JJ) na finalíssima.

Já no feminino, que premiou com 1,5 mil reais a campeã do absoluto, quem levou a melhor foi Nathiely de Jesus (Cícero Costha), ao bater Cláudia do Val (De la Riva) na disputa do ouro.

Confira abaixo os campeões na faixa-preta adulto!

BLACK / Adult / Male / Feather 1 – Gianni Paul Grippo – Alliance 2 – Hiago George Santos Silva – PSLPB Cicero Costha 3 – Silvio Duran de Barros Saraiva – Vitor Shaolin BJJ 3 – Thiago Augusto Araujo Macedo – Rodrigo Pinheiro BJJ

 

BLACK / Adult / Male / Middle 1 – Otavio Ferreira de Sousa – Gracie Barra 2 – Jaime Soares Canuto – GF Team 3 – Michael Remiglio Liera Jr. – Atos Jiu-Jitsu 3 – Victor Silverio Santos – Gracie Barra

 

BLACK / Adult / Male / Heavy 1 – Patrick Pontes Moura Santos Gaudio – GF Team 2 – Lucas Daniel Silva Barbosa – Atos Jiu-Jitsu 3 – Helton Jose Mendes da Silva Junior – PSLPB Cicero Costha B

 

BLACK / Adult / Male / Ultra-Heavy 1 – Gutemberg de Jesus Santos Pereira – GF Team 2 – Gustavo Dias Elias – Ribeiro Jiu-Jitsu 3 – Gabriel Lyrio Lucas – CheckMat

 

BLACK / Adult / Female / Light 1 – Heather H. Raftery – Atos Jiu-Jitsu

 

BLACK / Adult / Female / Middle 1 – Beatriz de Oliveira Mesquita – Gracie Humaita

 

BLACK / Adult / Female / Medium-Heavy 1 – Nathiely Karoline Melo de Jesus – PSLPB Cicero Costha

 

BLACK / Adult / Female / Heavy 1 – Claudia Fernanda Onofre V. Doval – De La Riva JJ

 

BLACK / Adult / Female / Super-Heavy 1 – Emilie Maxine M. H. Thylin – Gracie Humaita South Bay

 

BLACK / Adult / Female / Open Class 1 – Nathiely Karoline Melo de Jesus – PSLPB Cicero Costha 2 – Claudia Fernanda Onofre V. Doval – De La Riva JJ 3 – Emilie Maxine M. H. Thylin – Gracie Humaita South Bay

3 – Heather H. Raftery – Atos Jiu-Jitsu

Para ver a lista completa com todos os vencedores, clique aqui!

15 dicas fundamentais para você ir da faixa-branca até a faixa-preta

Gabriel Vella no Mundial de Jiu-Jitsu 2009, em foto de Regis Chen.

A caminhada até a faixa-preta de Jiu-Jitsu é rica em aprendizado, obstáculos e superações. Hoje o bicampeão mundial Gabriel Vella passa 15 ensinamentos para tornar esta sua trilha, amigo leitor, um pouco mais suave.

1. É importante possuir vínculos afetivos na sua academia para estimular o interesse pelas aulas. Uma boa dica é levar um amigo ou familiar para começar a treinar com você, por exemplo.

2. Faça planos de treinos conjuntos, combinando com seus amigos e parentes e traçando metas similares. Isso vai ajudar você e todos em torno a terem objetivos mais claros, e a atingi-los.

3. Pontualidade nos treinos é um aspecto crucial para chegar longe. Demonstra respeito ao professor e aos colegas, e especialmente, evita possíveis lesões – as grandes inimigas de quem treina.

4. Um clima de camaradagem é importante também para sua presença ser não apenas aceita, mas festejada na academia. Para conquistar isso, é essencial que você demonstre boa educação e respeito por todos os colegas, mas principalmente pelos graduados. É isso que leva a uma boa aceitação em qualquer turma.

5. Segurança e conduta: jamais resista a golpes ajustados, para não dar chance para contusões.

6. Não descanse sentado com as mãos no chão nem fique deitado no tatame enquanto outros treinam ao seu redor. Em caso de pausa, prefira ficar com as costas na parede para poder visualizar o colegas. É útil para você aprender também.

7. Tenha o hábito de manter as unhas cortadas, para evitar machucá-las ou ferir os colegas.

8. Faça avaliações médicas anuais.

9. Lave o kimono após cada treino.

10. Não faça refeições menos de uma hora e meia antes de ir ao treino de Jiu-Jitsu.

11. Não treine de estômago totalmente vazio. Caso não tenha tido tempo para uma boa refeição, coma alimentos leves antes do treino, como uma banana.

12. A alimentação, ao lado dos exercícios complementares, são aspectos chaves para você ir longe no Jiu-Jitsu. Cultive bons hábitos alimentares tais como:

– Preferir alimentos naturais e orgânicos;
– Comer mais vezes e em menos quantidade;
– Não consumir alimentos industrializados;
– Evitar bebidas alcóolicas e refrigerantes;
– Evitar óleos de baixa qualidade;
– Não consumir gorduras saturadas;

13. Procure alternar o Jiu-Jitsu com outras atividades físicas: corrida, caminhada, natação e musculação são indicadas. Você vai ganhar em condicionamento e seu corpo vai ganhar muito mais resistência para as décadas de treino no futuro.

14. Faça alongamentos diários ou ioga.

15. Alivie e relaxe a musculatura cansada das batalhas nos treinos pelo menos a cada 15 dias, em piscinas ou no mar. Sempre reserve tempo para banhos de piscina, sauna ou jacuzzi.

 

*** Para ler artigos úteis para o seu jogo e seu desenvolvimento na academia de Jiu-Jitsu, leia GRACIEMAG, agora em formato digital direto no seu celular e tablete. Clique na imagem e saiba mais.

Campeão mundial de Jiu-Jitsu, Gilbert Durinho prevê duelo de solo no UFC

Gilbert Durinho e o armlock que lhe rendeu a vitória no UFC Rio. Foto: UFC/Divulgação

O angustiante período ausente do octógono está chegando ao fim para Gilbert Durinho. Neste sábado, dia 16 de setembro, ele retorna à ativa para medir forças com Jason Saggo no card do UFC Fight Night 116, em Pittsburgh, nos Estados Unidos. Válido pela categoria peso leve, o embate coloca frente a frente dois especialistas em Jiu-Jitsu, mas a novidade do brasileiro é a evolução completa em seu jogo. O Combate transmite o evento, ao vivo, a partir das 20h (horário de Brasília).

Em pouco mais de três anos como atleta do UFC, aos 31 anos de idade, Durinho se prepara para seu sétimo combate pela organização. Com quatro triunfos nesse período, ele precisa de nova boa apresentação para voltar ao lugar de vencedores da acirrada categoria. Em sua última luta, em 24 de setembro do ano passado, um revés diante do também brasileiro Michel Trator.

Ciente da necessidade da vitória, o líder e representante da equipe Combat Club tratou de otimizar o período sem luta para evoluir em seu jogo. Destaque para sessões de treinamento acompanhado por nomes como o ex-campeão da categoria meio-médio do UFC Robbie Lawler, o ex-dono do cinturão dos médios Luke Rockhold, que encabeça o card em Pittsburgh, e Vicente Luque, representante brasileiro entre os meio-médios do Ultimate.

“É ruim ficar sem lutar por muito tempo, mas isso acabou sendo bom para mim. Perdi minha última luta por detalhes, e analisei tudo o que aconteceu para corrigir minhas falhas. Hoje, sou um lutador melhor. Evoluí, principalmente, no boxe e no wrestling, além da parte física. Treinei com alguns dos melhores do mundo, evoluí bastante assim. Tudo isso me deixa ainda mais animado para lutar logo”, avisa.

O tempo longe do octógono seria menor para Gilbert Durinho, natural de Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Escalado para encarar Paul Felder no UFC 208, em fevereiro deste ano, o fluminense foi forçado a deixar o combate por conta de uma lesão no cotovelo direito. Totalmente recuperado, ele aproveitou para desafiar alguns atletas da categoria, antes de ter o compromisso confirmado contra Saggo.

“Durante esse período, tive algumas opções de luta, mas nenhuma delas se concretizou. Chamei o Joe Lauzon para lutar, mas acabou não acontecendo também. Não é desrespeito nenhum a ele, apenas acredito que ele é um cara duro, com bom nome, um adversário ideal para meu momento. Minha vontade era encarar um bom lutador de Jiu-Jitsu, e acabei sendo atendido com o Jason Saggo”, conta o brasileiro, que terá a companhia em seu córner de Henri Hooft, Greg Jones, seu irmão Herbert e Vicente Luque.

De fato, o confronto é de dois especialistas em Jiu-Jitsu. Oriundo e campeão mundial da modalidade, o brasileiro finalizou sete de suas 11 vitórias no MMA profissional, sendo três delas já pelo UFC. Por sua vez, o canadense finalizou em oito oportunidades no cartel de 12 triunfos, nenhuma no octógono. Toda a evolução em áreas como boxe e wrestling deixa o brasileiro mais confiante para colocar seu Jiu-Jitsu em prática.

“O Saggo é um cara bem duro, que tem um bom Jiu-Jitsu. Ele também é bom em pé, mas suas principais armas estão no chão. Estou ciente disso, e sei que o chão é o melhor para mim, mesmo com todas as qualidades que ele tem. Eu vou botar pressão nele o tempo inteiro, mostrando meu boxe, minhas quedas. Estou pronto para dominar as ações, mas confio que vou finalizar essa luta no sábado”, analisa.

(Fonte: Assessoria de imprensa)

Como um pai conquistou a faixa-preta de Jiu-Jitsu graças ao filho

Will e seu filho, Kenzo, no Japão. Foto: Reprodução/GRACIEMAG

Brasileiro radicado no Japão, Will Karakawa começou há 13 anos no Jiu-Jitsu, depois de ser apresentado à arte suave por um amigo, na sala de sua casa. Will gostava de vestir o kimono e dar uma suada, mas os laços com o Jiu-Jitsu ainda não haviam eram fortes.

Até que nasceu Kenzo, o filhão dos Karakawa. Diagnosticado com autismo, o jovem começou a demonstrar que no Jiu-Jitsu ele aprendia a se socializar e interagir melhor com os familiares.

E foi aí que o Jiu-Jitsu passou a ser prioritário na vida de Will e Kenzo, quase como a água e o oxigênio. E assim, depois de anos de estrada, o papai Karakawa enfim conquistou seu diploma de faixa-preta.

“O maior benefício que o Jiu-Jitsu trouxe para o meu filho foi em relação à socialização”, explica Will. “Kenzo era um garoto sem amigos, que sofria bullying. Ele com os treininho adquiriu uma confiança para dar um basta nessa situação.”

No vídeo a seguir, Will Karakawa comenta a satisfação de se formar faixa-preta da arte que vem salvando o filhão, competidor frequente nos eventos como o Pan Kids, e incentiva você a jamais desistir. Oss!

Vídeo: o estrangulamento ezequiel que valeu o ouro a Kayron Gracie

Kayron Gracie e seu ezequeil campeão. Foto: IBJJF

Em ação no Asian Open de Jiu-Jitsu, realizado no último fim de semana em Tóquio, no Japão, o professor da Gracie Barra Kayron Gracie fez bonito, no peso médio.

Após um tempo afastado das competições, o filho de Carlos Gracie Jr. mostrou que tem muito Jiu-Jitsu para botar em prática nos torneios. Com movimentos justos e eficientes, o atleta finalizou todas as suas três lutas com variações do estrangulamento ezequiel.

Na final, o duelo pelo ouro foi bastante movimentado, contra o americano Nathan Medelsohn.

Kayron mostrou seu bonito jogo de guarda, raspou e controlou bem por cima. Quando conquistou as costas, atacou com sucesso o ezequiel. Veja a luta completa no vídeo abaixo e estude a movimentação de Kayron.

Pages