GracieMag News

Matheus Zimmermann ensina defesa do relógio com finalização no Jiu-Jitsu

Nosso professor GMI Matheus Zimmermann (kim. azul ao centro), orgulhoso com seus alunos na graduação da Top Brother Sul. Foto: Divulgação

Líder da Top Brother Sul, nossa academia GMI em Pelotas, Matheus Zimmermann comemora o ano que passou com seu tatame lotado de ávidos alunos e muitas experiencias boas, sem falar nas histórias para contar. A celebração de um 2017 recheado de sucessos não poderia ser diferente.

O professor realizou nesta semana a graduação da equipe, premiando os seus aplicados alunos com novas faixas e graus. E para celebrar o dia, Zimmermann gravou um vídeo no qual ensina uma saída eficaz contra o adversário que ataca no estrangulamento relógio.

Para evitar a finalização, Matheus aguarda a movimentação do oponente e combina a levantada da perna assim que o adversário dá o primeiro passo. Em seguida, tomba e ataca a mão do inimigo, com uma mão de vaca. Caso o aluno que estuda o vídeo esteja na faixa-branca, que proíbe tal finalização, o faixa-preta mostra como usar a mesma transição para chegar no cem-quilos tem atacar no pulso.

Confira o golpe e a transição no vídeo abaixo e blinde cada dia mais o seu Jiu-Jitsu!

Top Brother Sul
Rua Santos Dumont, 368
2º andar, Centro, Pelotas
# (53) 3305-5494
contato@topbrotherpelotas.com
www.topbrothersul.com

Campeão absoluto, Lucas Hulk revela tática da vitória no Mundial Sem Kimono

Lucas Hulk dominou peso e absoluto do Mundial Sem Kimono. Foto: IBJJF

O faixa-preta Lucas “Hulk” Barbosa ocupa o posto de melhor atleta sem kimono da IBJJF, após duelar e finalizar cinco dos seus seis oponentes durante o Mundial Sem Kimono, encerrado no último fim de semana, na Califórnia.

Sob os olhares de André Galvão, que ficou com a missão de instruir o aluno durante as pelejas, Lucas garantiu duas medalhas de ouro. Primeiro, dominou as ações na divisão super pesado, ao finalizar a pedreira João Assis no norte-sul. Antes disso, o jovem havia finalizado Eliot Kelly na kimura e James Brasco com o mesmo golpe que utilizou na final da categoria.

“João é um atleta muito duro”, analisou Hulk.  “Lutei com ele no Berkut uma semana atrás e agora no Mundial. As duas lutas que fiz com ele foram uma guerra, mas graças a Deus consegui ser campeão. Tiro o chapéu pra ele, tem nome e uma história incrível no Jiu-Jitsu. Fico feliz de ter lutado e finalizado. Venho trabalhando muito aquele estrangulamento norte-sul. Acho que o detalhe é ajustar a posição ali no bíceps e jogar o quadril para o lado para poder ter uma finalização boa, tem que estar justo sempre ali.”

Algumas horas depois, Hulk confirmou o nome no absoluto, e novamente foi o melhor atleta. A disputa do ouro absoluto o colocou frente a frente com o sempre perigoso João Gabriel Rocha. Com uma tática bem elaborada, Hulk derrubou João, controlou a luta e tornou-se o mais novo campeão do aberto.

Diante da emoção e enxugando o suor que valeu ouro, Lucas comentou o sabor da vitória e falou do seu quarto título mundial sem kimono seguido, que vem desde 2015.

“É difícil de acreditar que meu nome está lá, na história do Jiu-Jitsu, como campeão na categoria e no absoluto”, vibrou Hulk. “É um título que todo lutador queria ter. Eu já estava feliz com meu título na categoria, mas o absoluto tem um gosto ainda melhor. Ser campeão peso e absoluto de um dos maiores torneios do mundo é inacreditável mesmo. Estou muito feliz com esse título. Olhar para trás e ver até onde eu cheguei é incrível. Para mim, isso representa bastante, porque após todos esses anos dedicados a essa jornada posso ver que valeu a pena. Um cara de uma cidade pequena conquistar o maior torneio do mundo é bem gratificante. Espero me superar dessa forma e ter mais, continuar escrevendo meu nome na história, para que todos possam se lembrar do meu nome.”

De janeiro até agora, Lucas competiu bastante no circuito da IBJJF e isso lhe rendeu bons e poderosos conceitos estratégicos, pelo fato de ter lutado previamente com a maioria dos adversários que encarou no Mundial Sem Kimono. Bom, para ele, não foi nada diferente lutar em duas divisões acima da sua, já que sempre atua como meio-pesado.

“Eu não senti nenhuma diferença nos adversários”, relembrou Hulk. “Como eu luto no absoluto nos torneios que eu participo, não fez muita diferença pra mim. Eu fui lá me desafiar no super pesado, uma categoria acima, me testei e me saí bem. Todas as lutas que eu fiz, a maioria foi com caras mais pesados. Acho que a grande diferença de sempre cair no absoluto é  saber lidar com caras maiores, saber o que pode ou não fazer, o que precisa ou não fazer. O presente de natal veio antecipado, estou feliz demais, não poderia ser melhor fechar o ano com chave de ouro.”

Veja o treino sem kimono do atual campeão mundial absoluto para brilhar no torneio!

Mauro Ayres ensina ataque duplo da guarda fechada para surpreender no Jiu-Jitsu

Mauro Ayres na academia Mauro Ayres BJJ, nossa GMI na Zona Sul do Rio de Janeiro. Foto: Divulgação

Nosso professor GMI Mauro Ayres, líder da Mauro Ayres BJJ Academy, em Ipanema, mostrou para seus alunos uma posição interessante para finalizar o adversário que fica arisco dentro da guarda fechada. E nós de GRACIEMAG captamos a filmagem para dividir o conhecimento com você, nobre leitor.

Na aula, Mauro mostra como surpreender o oponente que faz boa postura na guarda, para abrir e trabalhar na passagem. Com um movimento técnico, o professor desequilibra o adversário e consegue fazer a pegada na gola. Depois, com o braço do oponente preso, Mauro mostra duas opções para finalizar: ou no estrangulamento ou na chave de braço.

Confira a posição no vídeo abaixo e inclua mais esta posição no seu jogo! Para aprender mais com a fera, siga no instagram @mauroayresbjjacademy ou faça uma visita na nossa academia credenciada!

Mauro Ayres BJJ
Rua Visconde de Pirajá, 318,
Sobreloja 205 A, Ipanema
# (21) 3594-2991 / 99991-0391
bjjmauroayres@gmail.com
www.mauroayresbjj.com

Uma publicação compartilhada por Mauro Ayres BJJ Academy (@mauroayresbjjacademy) em 20 de Dez, 2017 às 7:16 PST

Rodolfo Vieira assina com o ACB para atuar no Jiu-Jitsu e no MMA

Rodolfo com contrato assinado e previsão de atuação no evento para 2018. Foto: Reprodução

Astro do Jiu-Jitsu com empreitada forte no MMA, Rodolfo Vieira confirmou presença em um grande evento para 2018. Depois de atuar de luvinhas no Arzalet FGC e no Shooto, Rodolfo está de contrato assinado para atuar no ACB MMA, e tem outra novidade no contrato.

Sem lutar Jiu-Jitsu profissionalmente há alguns anos (seu último título foi no ADCC 2015), Rodolfo foi anunciado também como novo contratado do ACBJJ, organização de Jiu-Jitsu que tem no seu plantel os maiores nomes da arte suave mundial, como Marcus Buchecha, Leandro Lo, Romulo Barral, Lucas Lepri, Erberth Santos e muitos outros.

Para os fãs, está será a chance de ter o “caçador de faixa-preta” de volta aos tatames depois do longo hiato, com a possibilidade de rever a fera em ação usando kimono, além da possibilidade de ver Rodolfo em lutas que existiam apenas no imaginário dos que acompanham o cenário atual.

Card estelar em janeiro abre temporada do Jiu-Jitsu

Outra novidade vinda da organização do leste europeu foi a confirmação do card recheado que será apresentado em São Paulo, no dia 26 de janeiro, em local ainda a ser confirmado.

Além de duas lutas valendo o título, outras 15 lutas estarão presentes no card, recheado de campeões mundiais, nomes da elite do Jiu-Jitsu mundial e veteranos consagrados no esporte.

Como fica difícil separar um destaque em meio aos nomes do card, confira abaixo a lista e poste nos comentários qual combate será o mais aguardado da edição número 10 do ACBJJ.

Luiz Panza vs Joao Gabriel Rocha (Disputa de cinturão)
Augusto Tanquinho vs Paulo Miyao (Disputa de cinturão)
Marcus Almeida vs Mahamed Aly
Leandro Lo vs Otavio Sousa
Marcio Andre vs Lucas Lepri
Erberth Santos vs Adam Wardzinski
Claudio Calasans vs Patrick Gaudio
Romulo Barral vs Arnaldo Maidana
Yuri Simoes vs Abdurakhman Bilarov
Braulio Estima vs Rudson Mateus
Mikey Musumeci vs Rafael Barata
Gabriel Lucas vs Ricardo Evangelista
Marcelo Mafra vs Luan Carvalho
Rodrigo Cavaca vs Igor Silva
Thiago Sa vs Josh Hinger
Osvaldo Moizinho vs Nicollas Welker
Lucas Rocha vs Rodrigo Caporal

12 meses de Jiu-Jitsu com Renzo Gracie!

O melhor presente que você pode dar aos seus amigos e familiares neste fim de ano.


Agora qualquer pessoa ao redor do planeta pode ter acesso ao conhecimento que é difundido numa das escolas de maior prestígio do Jiu-Jitsu mundial, a Renzo Gracie Academy, em Nova York.

Como? Com a Renzo Gracie Online Academy.

Através da mais completa e moderna academia online, praticantes de todas as graduações, independente de suas agremiações, são beneficiados com aulas diárias, produzidas para revolucionar o rendimento nos treinos e campeonatos, e também para motivar os alunos e aperfeiçoar seus estilos de vida.

Qualquer praticante de Jiu-Jitsu gostaria de ser presenteado com acesso ilimitado à Renzo Gracie Online Academy, por todo o ano de 2018, concorda?

Pois saiba que Renzo e sua equipe acabam de lançar uma promoção especial para que você nesta época de festas, presenteie seus amigos e familiares com a assinatura anual da RGOA. Confira a seguir todos os benefícios da promoção!

Economize!

Neste mês de Natal, a Renzo Gracie Online Academy oferece desconto de mais de 50% em relação ao valor cheio da assinatura anual do curso.

Supreenda!

Muito mais interessante que presentes convencionais, o curso da RGOA é uma forma moderna e sofisticada de mergulhar na fonte do Jiu-Jitsu e evoluir tecnicamente.

Conveniência!

Não há distâncias, nem fretes ou atrasos. A assinatura da RGOA é um presente em formato digital. Você entrega na mesma hora da compra, através de um endereço de e-mail. Ótima opção para estreitar os laços com amigos e familiares que moram longe da sua cidade.

Acerte o golpe!

Se a pessoa presenteada é viciada na arte suave, não há a menor dúvida de que ela vai adorar aprender Jiu-Jitsu com Renzo Gracie.

Você não vai ser esquecido!  

Como se trata de uma anuidade, toda vez em que o seu amigo ou familiar acessar a RGOA ao longo de 2018, ele vai ter uma boa lembrança em relação a você.

Torne-se um embaixador do Jiu-Jitsu!

A assinatura da RGOA é o presente perfeito para você passar adiante os valores da arte marcial que você tanto admira. Além de ensinar técnicas de combate e dar conselhos para seus alunos aperfeiçoarem a qualidade de vida, a Renzo Gracie Online Academy funciona também como um coach, que está sempre ao lado do usuário do curso, motivando e ajudando ao longo da jornada.

E não se preocupe. A Renzo Gracie Online Academy é aberta para alunos de todas as equipes e agremiações. É um sistema complementar, que jamais substitui o treino de verdade.

Portanto, siga todos os passos desta página especial da Renzo Gracie Online Academy feita para facilitar a entrega do presente à pessoa querida. E boas festas.

Equipe Gallerr (ou Renzo Gracie)

A agenda RGOA:

Semana 1: Ataques da guarda fechada

Semana 2: Retenção da guarda

Semana 3: Ataques laterais

Semana 4: Saída dos 100kg

Semana 5: Pegadas de costas

Semana 6: Ataques das costas

Semana 7, 8, 9 …, 998, 999, 1000: Surpresa! A cada semana, um nova tópico.

Mais: Quedas, Defesa Pessoal, Dicas de qualidade de vida, Documentários, Entrevistas, etc.

Tudo isso por 9,58 por mês, no plano anual.

Dê de presente o acesso à mais completa e moderna academia online de Jiu-Jitsu do planeta.

Filho de Royce e atleta do Bellator, Khonry relembra treino de Jiu-Jitsu com Helio Gracie

Royce e Khonry Gracie nos bastidores do Bellator. Foto: Divulgação

No dia 20 de janeiro de 2018, mais um Gracie fará sua estreia no MMA profissional, com o intuito de propagar o legado da família e espalhar o potencial do Jiu-Jitsu ainda mais.

O nome da fera é Khonry Gracie. Competidor de sangue azul, filho do lendário Royce Gracie, Khonry participou recentemente de uma coletiva de imprensa nos EUA, para promover o seu duelo contra Devon Brock, no Bellator 192. Dentre os temas abordados, o jovem de 20 trouxe para os jornalistas uma lembrança carinhosa do avô Helio Gracie.

“A última vez que eu vi o vovô Helio nós treinos”, relembra Khonry. “Ele me colocou na guarda e disse: ‘Passa a minha guarda.’ Ele tinha 94 anos e eu pensei que seria fácil. Tentei abaixar uma das pernas dele para passar, não consegui. Tentei a outra, sem sucesso também. Pensei: ‘Nossa, como ele é forte.’ Pus minha mão na cintura dele para tentar passar, ele puxou minha mão para o solo e fez uma pegada muito forte. Eu nunca na minha vida conseguiria liberar aquela pegada. Eu tinha 14 anos, sinto falta dele todos os dias.”

Além das boas memórias, Khonry também dividiu com os jornalistas sua missão maior no MMA, além de crescer no esporte e buscar um cinturão: fazer o Jiu-Jitsu popular.

“Quando meu pai começou, a missão era espalhar o Jiu-Jitsu pelo mundo”, disse Khonry. “A missão continua sendo essa. Levar o Jiu-Jitsu o mais longe possível. Estou aqui para levar comigo o nome e o legado da família Gracie. Fazer com que meu pai e meu avô sintam orgulho. Eu treino boxe, um pouco de wrestling e kickboxe, além de tamb´´em um pouco de judô. Mas o foco maior é no Jiu-Jitsu, estou aqui para mostrar a força do Jiu-Jitsu.”

E você, amigo leitor, qual a melhor memória que você tem de um treino que marcou sua vida? Poste nos comentários e divida conosco!

Que atletas foram destaques no Jiu-Jitsu e no MMA na temporada 2017?

Foto: Beatriz Lina/GRACIEMAG

O fim de 2017 está próximo. As equipes já estão em reta final de suas confraternizações, os principais torneios também encerraram suas edições nesta temporada. Então é chegada a hora de você, leitor assíduo de GRACIEMAG, nos ajudar a escolher os melhores de 2017, no Jiu-Jitsu e no MMA.

Confira abaixo nossas dez categorias. Qualquer candidato votado entra no páreo; para validar o voto, no entanto, ele precisa estar aqui embaixo, na seção de comentários do GRACIEMAG.com. Votos nas redes sociais não serão computados.

1. Melhor lutador de Jiu-Jitsu (masculino)

2. Melhor lutadora de Jiu-Jitsu (feminino)

3. Melhor finalização do ano no Jiu-Jitsu (com ou sem kimono)

4. Melhor lutador sem kimono

5. Melhor lutadora sem kimono

6. Lutador de MMA do ano

7. Lutadora de MMA do ano

8. Melhor finalização no MMA

9. Melhor atleta de Jiu-Jitsu não faixa-preta

10. Melhor atleta de Jiu-Jitsu Master

10 dicas para você sair logo da faixa-branca no Jiu-Jitsu, com Suyan Queiroz

Suyan Queiroz e Carlão Santos na GMI First em Utah, nos EUA. Foto: Reprodução

Professor de Jiu-Jitsu radicado EUA, Suyan Queiroz, líder da nossa GMI First BJJ Carlson Gracie em Utah, conversou com nossa equipe sobre as principais dicas para aqueles que adotaram há pouco as maravilhas que o Jiu-Jitsu pode proporcionar.

Para Suyan, os detalhes analisados abaixo, divididos em dez dicas, seriam essenciais para que ele tivesse passado com maior aproveitamento e facilidade pelo período de faixa-branca, aquele no qual o atleta está se acostumando com os movimentos da arte suave. Confira as dicas e aplique nos seus treinos ou ajude seus colegas de tatame!

1. O Jiu-Jitsu nos ensina muitas lições valiosas com o tempo, mas o iniciante que assimilá-las logo no início terá mais sucesso e sabedoria para ir mais longe. Por exemplo: cuide do corpo não somente enquanto estiver treinando, mas nas horas de folga também. Alimente-se com simplicidade e inteligência, alongue-se, beba muita água e descanse muito.

2. Fique atento em todas as aulas. É o melhor meio para você absorver tudo o que puder. Evite no início buscar uma posição preferida; tente tudo o que for possível e deixe as preferências para o futuro próximo.

3. Execute as posições passo a passo, e depois vá imprimindo velocidade no movimento aos poucos. Quando somos iniciantes, controlar isso é difícil, sempre tentamos imprimir velocidade antes de saber o movimento perfeitamente. Com isso, o movimento sai imperfeito e muito faixa-branca desiste de tentar de novo.

4. Procure no início treinar com parceiros de treinos mais ou menos do mesmo peso. Logo no início no Jiu-Jitsu, você ainda não tem muito jeito com os movimentos, o que é normal, e treinar muito com parceiros mais pesados pode atrair contusões.

5. Cadencie o ritmo de treino o máximo que conseguir. Isto é, treine com constância e frequência, sem precisar treinar 15 horas por dia e se estourar. Os iniciantes muitas vezes ficam com fome de Jiu-Jitsu e querem treinar o tempo todo sem respeitar muito o próprio limite. Aguarde e mate a fome aos poucos, sem se empanturrar.

6. Não deu? Dê os três tapinhas e evite lesões. Não queira ser um casca-grossa na faixa-branca, sem respeitar seus limites… Eu me machuquei algumas vezes por pensar equivocadamente assim.

7. Lembre sempre do seu último treino. O que você fez que deu certo? O que tentou que deu errado? Guarde isso na mente, para corrigir nos próximos rolas.

8. Na defesa, procure usar a força apenas combinando os movimentos. No início é comum querermos fazer força de qualquer maneira, sem dosar e sem objetivo. Isso nos faz cansar com dois minutos de treino.

9. No ataque, dose sua velocidade e sua pressão; ir com muita sede ao pote faz o praticante de Jiu-Jitsu perder posições valiosas, e passar sufoco desnecessário.

10. Saia sempre de sua zona de conforto, para que você possa aprimorar mais o seu nível. Treine sempre com alguém que exige muito de você, técnica e mentalmente. Tomar amasso no início e voltar no próximo treino é a melhor receita para evoluir no Jiu-Jitsu.

Neiman Gracie e a arte de chegar às costas dos adversários

Em todos os combates que disputou em sua vitoriosa carreira no MMA, Neiman Gracie se movimenta em busca do domínio das costas de seus rivais, abrindo assim o caminho para o triunfo. O craque não apenas chega às costas com facilidade, ele também é capaz de se estabilizar na posição e transitar com facilidade. Esta semana, nas aulas do curso da Renzo Gracie Online Academy, você vai ter acesso a todo esse conhecimento específico de Neiman.

É a oportunidade perfeita para você desenvolver um verdadeiro GPS mental, mapeando atalhos para a retaguarda dos adversários a partir das mais diversas posições: guarda, meia-guarda, cem-quilos, norte-sul, montada.

A semana 5 do programa Renzo Gracie Online Academy está organizada da seguinte forma:

  • Dez técnicas de progressões para as costas do adversário em busca de finalização.
  • Drop morote seoi nage: a mecânica de derrubar girando o corpo e ajoelhando-se entre as pernas do adversário.
  • Qualidade de vida: Como se manter protegido de situações de adversidade nas ruas, utilizando-se de toda a confiança que o Jiu-Jitsu proporciona a você.
Dia 1- Segunda-feira

Aula 1: Pegada de costas a partir da guarda fechada

Na guarda fechada, estoure a pegada que o oponente faz no paletó do seu kimono, cruze o braço dele na diagonal e aproveite o atalho que se forma para chegar às costas.

Aula 2: Pegada de costas a partir da meia-guarda

Surpreenda os adversários que tentam transpor a sua meia-guarda. Ganhe uma esgrima, avançando o braço rente à axila do passador. Depois, posicione-se lateralmente. Esses ajustes vão permitir que você progrida para o domínio das costas.

Dia 2 – Terça-feira

Aula 3: Variação para o domínio das costas a partir da meia-guarda

Por baixo, na meia-guarda, você esgrima o oponente e busca progredir para as suas costas. O passador, no entanto, usa o braço para envolver a sua esgrima, bloqueando o caminho. Neiman Gracie mostra como reverter o jogo.

Aula 4: Esgrima cruzada para ir às costas a partir da meia-guarda

Em vez de buscar a axila direita de Leo Tunico, Neiman Gracie opta por esgrimar a axila esquerda, passando o corpo por baixo do tronco do passador rumo às suas costas.    

Dia 3 – Quarta-feira

Aula 5: Pegada de costas a partir da montada

O segredo de muitas posições está no senso de antecipação do lutador. Quando Leo Tunico começa a fugir os quadris para escapar da montada, Neiman Gracie posiciona-se lateralmente, atacando pela retaguarda.

Aula 6: Do cem-quilos para as costas


Ao chegar ao domínio lateral, o adversário tende a se fechar defensivamente. Que tal ceder um pouco de espaço em forma de armadilha? No momento em que o oponente gira o corpo para escapar, forma-se a oportunidade perfeita para dominá-lo pelas costas com os ajustes do cinto de segurança. Confira o passo a passo dessa progressão, na aula de Neiman Gracie produzida pela RGOA.

Aula 7: Razões para fazer Jiu-Jitsu: Confiança

As técnicas de defesa pessoal são um elemento fundamental no Jiu-Jitsu. Entenda como praticar a arte-suave pode tornar você uma pessoa muito mais confiante, com um senso aguçado para se manter à distância de situações de conflito nas ruas.

Dia 4 – Quinta-feira

Aula 8: Do cem-quilos para as costas 2 

Voltamos a estudar o caso de o oponente se fechar defensivamente quando está por baixo, no cem-quilos. Neiman Gracie mostra um domínio interessante ao braço flexionado de Leo Tunico. Depois de fazer um giro de 180 graus, obrigando Tunico a se posicionar de lado, o Gracie passa a perna e se reposiciona com o domínio total das costas de Tunico.

Aula 9: Do norte-sul para as costas

Subestimada por muitos praticantes de Jiu-Jitsu, a posição norte-sul  serve para imobilizar, abrir espaços e também oferece várias opções eficientes de ataque, como esta surpreendente progressão para as costas do adversário através de poderosas pegadas na lapela do paletó.   

Dia 5 – Sexta-feira       

Aula 10: Dominando as costas com pegada cruzada na lapela

O adversário se fecha em quatro apoios e você precisa encontrar espaço para inserir os ganchos com as pernas e conquistar o pleno domínio das costas. Confira uma maneira simples e eficiente para lidar com essa situação.

Aula 11: Domínio das costas com cambalhota

Com uma movimentação acrobática, Neiman Gracie surpreende o oponente que se fecha defensivamente em quatro apoios. Com duas pegadas firmes e bem justas junto às golas do paletó do adversário, o Gracie aplica uma cambalhota e termina a progressão com pleno domínio da retaguarda do oponente.

Aula 12: Drop morote seoi nage

O drop morote seoi nage é semelhante ao ippon seoi nage, com um pequeno diferencial: agora você não vai mais aplicar o golpe em pé, mas sim ajoelhando-se entre as pernas o adversário. Quanto mais embaixo do oponente você conseguir se posicionar, mais potente será o desequilíbrio.

P.S. Melhore seu jiu-jitsu com o time Renzo Gracie – RGOA

Veja o que te espera:
Week 1: Attacks from closed guard
Week 2: Guard retention
Week 3: Side attacks
Week 4: Escape from side control
Week 5: Back-takes
Week 6: Attacks from the back
Week 7, 8, 9 …, 998, 999, 1000:

Conteúdos exclusivos – A cada semana um novo tópico

Além disso: Quedas, autodefesa, dicas de estilo de vida, documentários, entrevistas, etc. Até o final de 2017, 50% de desconto na Renzo Gracie Online Academy.

Inscreva-se agora e junte-se à escola de jiu-jitsu online mais completa e moderna do planeta.

Vídeo: Flávio Canto mostra seu Jiu-Jitsu contra campeã de judô, no Japão

Osumi e Canto na tradicional escola Kodokan, no Japao. Foto: Reprodução

Fera nas quedas, o judoca Flávio Canto, além de premiado na arte de derrubar, é também faixa-preta de Jiu-Jitsu com muitas opções no solo. Seu jogo de finalizações, ou “ne waza” no judô, foi mundialmente conhecido e temido por seus adversários.

Hoje aposentado dos tatames, vez ou outra o craque veste seu kimono e pões suas habilidades em prática. Uma dessas rolou neste mês de dezembro, em visita à renomada escola Kodokan de judô, em Tóquio, no Japão. Canto fez um treininho solto contra Yuka Osumi, faixa-preta campeã nacional na modalidade.

Com raspagens, quedas e finalizações, Canto abriu a caixa de ferramentas e mostrou para a judoca japonesa como se faz quando o combate vai para o solo. Confira o treino no vídeo abaixo!

De novo: Atleta aplica queda de Jiu-Jitsu e nocauteia no MMA

Sodiq Yusuff bate violentamente com o rosto no chão após a queda de Luis Gomez. Foto: Reprodução

Há quem diga que Luis Gomez(6v, 1d), atleta de MMA americano, contou com a sorte ao aplicar uma queda que nocauteou seu adversário, no fim de 2016. Contudo, no mesmo mês, agora em 2017, o peso-pena voltou a executar o golpe para desnortear o seu adversário e vencer.

Foi no último final de semana, em ação no Titan FC 47, durante o duelo contra Sodiq Yusuff. Ainda no primeiro assalto, em uma disputa no clinche, Luis prendeu o braço do oponente e aplicou um seoi nage adaptado, no qual ele esconde seu corpo quase embaixo do oponente, e este não tem nada além do chão para aterrizar, sem uma das mãos para se proteger do impacto.

A primeira vez que Gomez aplicou a sorrateira técnica foi no Fight Time 34, clique aqui e reveja!

Guilherme Iunes ensina contragolpe para o single-leg no Jiu-Jitsu

GMI Guilherme Iunes no alto do pódio no peso médio master 1. Foto: Reprodução

Professor da Gracie Barra e líder das nossas GMIs Recreio e Bandeirantes, Guilherme Iunes traz toda a semana para os seus alunos um truque diferente para que estes possam surpreender seus adversários nos treinos e campeonatos. Desta vez, o faixa-preta dividiu um desses macetes também conosco.

Guilherme mostra, no vídeo abaixo, como ele responde ao adversário que ataca no single-leg, com um contragolpe que permite cair por cima, no domínio lateral. Veja, estude as pegas e o movimento de queda, e pratique você também esta opção.

Gracie Barra Recreio
Clube Ginástico Português
Av. Prefeito Dulcidio Cardoso, 200
Recreio dos Bandeirantes, Rio de Janeiro
# (21) 99627-1533
guiunes@hotmail.com

Gracie Barra Bandeirantes
Academia Fusion Fight, Shopping Crystal
Estrada dos Bandeirantes, 07967
Loja 0131, Jacarepaguá, RJ
# (21) 99628-1533
guiunes@hotmail.com

Do baú: Leandro Lo e sua raspagem da guarda De la Riva há 5 anos

O jovem Leandro Lo em 2012. Foto: Junior Samurai

No Mundial de Jiu-Jitsu da IBJJF em 2012, um rapaz franzino, de poucas palavras, fez bonito e colocou de vez o seu nome na história do Jiu-Jitsu, ao conquistar o título faixa-preta adulto no peso leve. Esse rapaz se chamava Leandro Lo, e anos mais tarde se tornaria um dos competidores mais temidos da arte suave no planeta.

Depois de 2012, mais quatro títulos mundiais vieram além de muitas outras conquistas. Nós de GRACIEMAG, sempre de olho nos melhores lutadores do Jiu-Jitsu, procuramos nos nossos arquivos e achamos esta posição de Leandro, gravada no mesmo ano de 2012 que marcou o início do caminho da fera.

No vídeo, Leandro mostrou uma opção para inverter partindo da guarda De la Riva. Cheia de detalhes, a posição termina com Leandro em pé, segurando a perna do adversário, para sem seguida derrubar e contabilizar os dois pontos.

Confira no vídeo abaixo a técnica de Leandro Lo e acompanhe conosco todos os astros e estrelas do Jiu-Jitsu, antes e durante sua ascensão no esporte!

A importância do treino de Jiu-Jitsu ao ar livre, com o professor GMI Robson Alencar

Professor Robson com a sua equipe de atletas aventureiros no morro do Ernesto, no MS. Foto: Arquivo pessoal

Além de arte marcial reconhecida em todo o mundo, o Jiu-Jitsu deixa para seu alunos, além de alavancas e estrangulamentos, uma filosofia de vida baseada na saúde e bem estar, tanto do corpo quanto da mente. E nosso professor Robson Alencar, da GMI Alliance no Mato Grosso Sul, leva o mandamento a risca.

Próximo do fim do ano, Robson convocou seus alunos para um dia especial, com o dojô para ser montado fora das paredes da academia. Mochilas, kimonos e tatames foram divididos entre os atletas para encarar mais de uma hora de trilha no morro do Ernesto, em Campo Grande.

“Saímos 6h30 da manhã para a missão”, conta Robson Alencar. “O início da subida foi a 20km da cidade. Com partes íngremes e trilha fechada, fizemos em torno de uma hora de trajeto até o topo. Placas de tatame e equipamento ajudaram no aquecimento. Após montado, fizemos uma sessão de yoga antes do treino, no local em que o pessoal pula de parapente e asa delta.”

Para o professor, a união da equipe e a meta traçada para ser alcançada são só alguns dos motivos para realizar um treino deste tipo, com os benefícios da atividade física ao ar livre e o visual alucinante no topo da montanha.

“A ideia é consolidar o estilo de vida que o Jiu-Jitsu nos proporciona”, reflete Robson. “O espírito da camaradagem, desde a preparação da aventura, os cuidados de um com os outros, a superação das dificuldades e a sensação do desafio são somados a recompensa, ao desfrutar depois disso tudo de um momento de meditação, com práticas de yoga e respiração. Depois do treino, um banho de cachoeira para relaxar. O que mais um Jiu-Jiteiro de raiz pode querer?”

E você, amigo leitor, quando foi a última vez que fez um treino ao ar livre? Poste nos comentários!

Alliance MS
Academia ONFIT
Av. Noroeste N 920, Vila Planalto
Orla Morena, Campo Grande
# (67) 3305-8099
contato@alliancems.com.br
www.alliancems.com.br

Lucas Hulk brilha e fatura ouro duplo no Mundial de Jiu-Jitsu Sem Kimono da IBJJF

Com força nas quedas e técnica nas finalização, Hulk faturou mais um mundial sem kimono para o currículo. Foto: IBJJF

Os melhores atletas do Jiu-Jitsu seguiram um único caminho nesse final de semana, para buscar o ouro no Mundial de Jiu-Jitsu Sem Kimono da IBJJF, realizado nos dias 16 e 17 de dezembro, em Anaheim, EUA. Último grande evento da temporada, o torneio trouxe grandes emoções para o fã da arte suave.

Na divisão de faixa-preta, o nome da vez foi o de Lucas Hulk. Depois de se jogar de cabeça na divisão de super pesados, subindo duas categorias, o craque da Ato fez bonito e faturou o ouro. Como se não bastasse, a fera não parou por aí, e mordeu o ouro também no aberto.

Na categoria de peso, Hulk finalizou todas as suas lutas, inclusive a final contra João Assis (Checkmat), no estrangulamento norte-sul. Já no aberto, depois de mais uma vez finalizar todos até chegar na finalíssima, bateu o vice-campeão pesadíssimo João Gabriel Rocha (Soul Fighters) para garantir o duplo ouro com o sucesso no absoluto.

No feminino, Ana Laura Cordeiro e Jéssica Flowers fecharam tanto o peso pesado quanto o absoluto para a Gracie Barra.

Na disputa por equipes, no masculino, a Atos foi a grande campeã, com 100, pontos, seguida pela PSLPB Cícero Costha, com 54 pontos, e com a Brasa CTA em terceiro, com 52 pontos. No feminino geral, a Gracie Barra somou 62 pontos pelo título, seguida pela Alliance, com 37 pontos, e com a Gracie Humaitá em terceiro, com 36 pontos.

Outros nomes conhecidos dos campeonatos, como Keenan Cornelius, João Miyao e Caio Terra ficaram com o ouro na competição. Confira abaixo a lista completa de pódios na faixa-preta!

Black / Adult / Male / Rooster 1 – Caio Terra – Brasa CTA 2 – Tomoyuki Hashimoto – Carpe Diem 3 – Jimmy Santiago III – Buffalo BJJ Academy 3 – Nobuhiro Sawada – Tri-Force Jiu-Jitsu Academy

 

Black / Adult / Male / Light-Feather 1 – João Ricardo Bordignon Miyao – PSLPB Cicero Costha 2 – Lucas dos Santos Pinheiro – AMBJJ – Alex Martins Brazilian Jiu-Jitsu 3 – João Pedro Oliveira Rodrigues – Soul Fighters BJJ 3 – Rene Eduardo Lopez – Brasa CTA

 

Black / Adult / Male / Feather 1 – Osvaldo Augusto Honorio Moizinho – Ares BJJ 2 – Pablo Mantovani Dutra – Atos Jiu-Jitsu 3 – Gianni Paul Grippo – Alliance 3 – Silvio Duran de Barros Saraiva – Vitor Shaolin BJJ

 

Black / Adult / Male / Light 1 – Renato Forasieppi Alves Canuto – Zenith BJJ – Las Vegas 2 – AJ Agazarm – Gracie Barra 3 – Lachlan S. Giles – Absolute MMA Australia 3 – Rodrigo Lamounier de Freitas – Rodrigo Freitas Brazilian Jiu-Jitsu

 

Black / Adult / Male / Middle 1 – Joshua Roy Hinger – Atos Jiu-Jitsu 2 – Felipe Cesar Silva – BARBOSA JIU-JITSU 3 – Dante Leon – GF Team 3 – Michael Remiglio Liera Jr. – Atos Jiu-Jitsu

 

Black / Adult / Male / Medium-Heavy 1 – Keenan Kai-James Cornelius – Atos Jiu-Jitsu 2 – Murilo Silva Ferreira de Santana – BARBOSA JIU-JITSU 3 – Charles Negromonte Santos – ZR Team Association 3 – Diego Dias Ramalho – ZR Team Association

 

Black / Adult / Male / Heavy 1 – Arnaldo Maidana de Oliveira – CheckMat 2 – Roberto Torralbas – Team Lloyd Irvin 3 – David Mitchell – Carlson Gracie 3 – Thiago Sá Fortes Silva – CheckMat International

 

Black / Adult / Male / Super-Heavy 1 – Lucas Daniel Silva Barbosa – Atos Jiu-Jitsu 2 – João Francisco de Moraes Assis – CheckMat 3 – Aaron Michael Johnson – Unity Jiu-jitsu 3 – Eliot Andrew Kelly – Yemaso Brazilian Jiu-Jitsu

 

Black / Adult / Male / Ultra-Heavy 1 – Roberto de Abreu Filho – Fight Sports 2 – João Gabriel de Oliveira e S. Rocha – Soul Fighters BJJ Connecticut 3 – Adam Bruce Sachnoff – 10th Planet Jiu Jitsu 3 – Jared Lynn Dopp – Ribeiro Jiu-Jitsu

 

Black / Adult / Male / Open Class 1 – Lucas Daniel Silva Barbosa – Atos Jiu-Jitsu 2 – João Gabriel de Oliveira e S. Rocha – Soul Fighters BJJ Connecticut 3 – Jackson Sousa dos Santos – CheckMat 3 – Keenan Kai-James Cornelius – Atos Jiu-Jitsu Black / Adult / Female / Light-Feather 1 – Patrícia Maria N. Fontes dos Santos – CheckMat 2 – Liwia Gluchowska – Absolute MMA Australia 3 – Fiona M. Watson – Fight Club 3 – Sofia Rosa Amarante – Fight Sports

 

Black / Adult / Female / Feather 1 – Ana Talita de Oliveira Alencar – Alliance 2 – Yasmine Clarisa Wilson – Roger Gracie Academy

 

Black / Adult / Female / Light 1 – Jena Rae Bishop – Gracie Humaita 2 – Heather H. Raftery – Atos Jiu-Jitsu 3 – Karen Deisy Antunes Girotto Borges – CheckMat 3 – Michelle Zonato Nicolini – CheckMat

 

Black / Adult / Female / Middle 1 – Raquel Dayne Kaleialoha Paaluhi – Zenith BJJ – Las Vegas 2 – Catherine Fuhro Perret – CheckMat 3 – Jess Corinne Fraser – Vanguard BJJ 3 – Renata Marinho Moreira – Alliance

 

Black / Adult / Female / Heavy 1 – Jessica da Silva Oliveira – Gracie Barra 2 – Ana Laura Gonçalves Cordeiro – Gracie Barra 3 – Maia Nicole Matalon – Fifty/50 Jiu-Jitsu 3 – Maria Malyjasiak – Zenith BJJ – Las Vegas

 

Black / Adult / Female / Open Class 1 – Jessica da Silva Oliveira – Gracie Barra 2 – Ana Laura Gonçalves Cordeiro – Gracie Barra 3 – Amanda Loewen – SBG International (SBGI) 3 – Ana Talita de Oliveira Alencar – Alliance

 

Rafael dos Anjos domina Robbie Lawler e pede chance pelo cinturão do UFC

RDA trabalhou forte com os chutes para superar o duríssimo Robbie Lawler. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images

Faixa-preta de Jiu-Jitsu e ex-campeão peso leve do UFC, Rafael dos Anjos fez mais uma apresentação de gala nos meio-médios, dessa vez na vitória por decisão contra o ex-campeão da divisão e número dois do ranking Robbie Lawler. A luta principal em questão, realizada no UFC Winnipeg nesse sábado, dia 16, foi considerada por especialistas como uma eliminatória para disputar o cinturão de Tyron Woodley, e ambos os competidores deram tudo de si no octógono.

Para garantir a vitória, Rafael usou a inteligência e seguiu firme na estratégia para o combate. Bom no boxe e com mãos pesadas, Lawler tocou pouco o brasileiro, que trabalhou forte no jogo de chutes baixos e clinche para evitar os golpes mais traumáticos do americano. No fim dos cinco assaltos, os jurados declararam vitória na decisão unânime, com os cinco rounds computados para Dos Anjos.

“Ele é um cara que luta para a frente, mas esse é meu jogo também”, disse Rafael em entrevista à Fox.  “Lutando numa categoria mais pesadas, eu me sinto melhor, consigo lutar com mais pressão. Ele é maior que eu, mas eu estava tão forte quanto ele e tão bem preparado mentalmente. Consegui absorver alguns golpes que eu de repente não aguentaria no peso leve. Agora eu quero o cinturão dourado do UFC.”

Ainda no card, Glover Teixeira conseguiu virar o jogo para vencer Misha Cirkunov na divisão de meio-pesados. Depois de passar por problemas na trocação, Glover levou a luta para o solo e usou o Jiu-Jitsu para pegar as costas e tentar o mata-leão. Sem sucesso, o brasileiro montou, voltou a pegar as costas e, por cima, golpeou até a interrupção do árbitro.

Confira abaixo os resultados completos!

UFC Winnipeg
Winnipeg, Canadá
16 de dezembro de 2017

Rafael dos Anjos venceu Robbie Lawler na decisão unânime dos jurados
Josh Emmett nocauteou Ricardo Lamas aos 4min33s do R1
Santiago Ponzinibbio venceu Mike Perry na decisão unânime dos jurados
Glover Teixeira venceu Misha Cirkunov por nocaute técnico aos 2min45s do R1

Card preliminar

Jan Blachowicz venceu Jared Cannonier na decisão unânime dos jurados
Julian Marquez finalizou Darren Stewart na guilhotina aos 2min42s do R2
Chad Laprise venceu Galore Bofando por nocaute técnico aos 4min10s do R1
Nordine Taleb nocauteou Danny Roberts aos 59s do R1
John Makdessi venceu Abel Trujillo na decisão unânime dos jurados
Alessio Di Chirico venceu Oluwale Bamgbose por nocaute aos 2min14s do R2
Jordan Mein venceu Erick Silva na decisão unânime dos jurados

Rafael dos Anjos analisa ponto fraco de Robbie Lawler para vencer no UFC de hoje

Lawler e Dos Anjos fizerama clássica encarada na pesagem cerimonial do UFC Winnipeg. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images

Luta principal do UFC em Winnipeg, que rola na noite deste sábado, dia 16 de dezembro, o duelo entre Rafael dos Anjos e Robbie Lawler promete ser explosivo.

Ciente de que uma boa vitória pode lançá-lo de vez em uma disputa de cinturão contra Tyron Woodley, Rafael levará consigo, além da técnica em pé e do Jiu-Jitsu afiado, um plano de jogo bem traçado para surpreender o ex-campeão da categoria. Os pontos fracos do americano, analisados por Rafael, podem ser a chave para o sucesso.

“Em sua última luta, o ponto fraco foi o condicionamento”, analisou Rafael. “Ele começou muito forte mas não conseguiu definir o duelo. No segundo round ele diminuiu o ritmo e acelerou no terceiro round. Eu teria acabado com ele no segundo, pois eu sou agressivo, e se ele vem devagar contra mim para recuperar o fôlego eu teria acabado com a luta.”

Confira no vídeo abaixo toda a análise de RDA sobre a luta contra Lawler no combate principal do UFC de hoje!

UFC Winnipeg
Winnipeg, Canadá
16 de dezembro de 2017

Robbie Lawler x Rafael dos Anjos
Ricardo Lamas x Josh Emmett
Santiago Ponzinibbio x Mike Perry
Glover Teixeira x Misha Cirkunov

Card preliminar

Jan Blachowicz x Jared Cannonier
Julian Marquez x Darren Stewart
Chad Laprise x Galore Bofando
Tim Elliott x Pietro Menga
John Makdessi x Abel Trujillo
Alessio Chirico x Oluwale Bamgbose
Erick Silva x Jordan Mein
Nordine Taleb x Danny Roberts

Jiu-Jitsu: 3 passagens de guarda sem kimono na academia Domo

Sem kimono, Christofer Biude e Wilson Ulhôa ensinam como passar a guarda na academia Domo, nossa GMI no Espírito Santo. Foto: Reprodução

Já no clima do Mundial Sem Kimono da IBJJF, marcado para este final de semana, na Califórnia, vale a pena estudar três formas eficientes para passar a guarda em combates da modalidade. É o que ensinam os professores Christofer Biude e Wilson Ulhôa, no belo dojô da academia Domo, nossa GMI no Espírito Santo.

Na aula, Christofer ilustra duas opções da passagem sem kimono e uma terceira com a junção das duas iniciais. Sem o paleto para fazer as pegadas que facilitam na passagem, o professor trabalha com as mãos para movimentar o adversário no solo e abrir caminha para chegar na posição lateral.

Faça muitas repetições dessas movimentações e depois tente aplicar nos treinos e campeonatos, estudioso leitor. Confira no vídeo abaixo e observe a movimentação em detalhes!

Especial: 10 anos sem Ryan Gracie

Se estivesse entre nós, o professor Ryan Gracie estaria com 42 anos, e muito mais histórias no Jiu-Jitsu e no MMA. Filho de Robson Gracie e irmão de Renzo Gracie, Ryan nos deixou num triste dia 15 de dezembro de 2007, após uma série de acontecimentos.

Em homenagem ao lutador, o GRACIEMAG.com republica um artigo especial, originalmente veiculado na edição #131 da GRACIEMAG, de janeiro de 2008, escrito por Luca Atalla. Relembre algumas histórias do Gracie contadas por quem as viveu bem de perto.

***

Ryan Gracie (14 de agosto de 1974 – 15 de dezembro de 2007). Retrato feito por Tiago Molinos para GRACIEMAG

Desde pequeno, ele dizia aos amigos que ia morrer aos 33 anos.

Vivia em intensidade máxima, saboreando prazeres extremos, despertando emoções extremas, equilibrando-se no desfiladeiro de perigos extremos.

Ainda assim, fomos todos pegos no contrapé quando chegou a notícia: Ryan Gracie morreu dormindo, sozinho numa cela da 91o DP de São Paulo, na madrugada do sábado, 15 de dezembro.

O mundo será diferente sem ele.

Afinal, o “Fera” era onipresente.

Bastava falar o nome dele, que, feito mágica, ele aparecia. Estivéssemos no Japão, no Rio, em NY, ou no Havaí.

E chegava causando alvoroço.

Me lembro em 1997, no Pan de Jiu-Jitsu em Honolulu. Ainda ia demorar muito para ele estrear no Pride, mas ele já era o Ryan há muito mais tempo.

A ilha de Oahu era pequena demais. Então ele foi para o mar. Pegou uma prancha e entrou na raivosa baía de Waimea.

Tudo bem, os entendidos de surfe vão dizer. Surfar nas ondas gigantes de Waimea não é para qualquer um, mas muita gente surfa. OK, respondo eu. Só que o Ryan NÃO sabia surfar.

Entrou lá, tentou descer três ondas, e, claro, caiu nelas. Disse que quase se afogou, mas saiu ileso. Na mesma viagem, capotou de carro e nocauteou dois havaianos de uma vez só com sua certeira cotovelada, mas sobre essas duas práticas (cotoveladas e capotadas), existem histórias mais marcantes.

Aportando em São Paulo

O seu primeiro carro, um Escort XR-3 preto, durou uma viagem. Foi uma viagem inacreditável, mas apenas uma.

Acompanhado do amigo Alexandre Soca, Ryan saiu do Rio de manhã, em direção a São Paulo. Ele não tinha nem 17 anos, mas carteira de motorista era detalhe.

Acontece que os pneus do carro furaram mais de 20 vezes. Parece mentira, mas tudo na vida dele parecia mentira. Começou pagando os consertos. O dinheiro acabou, e ele então usou as roupas da patrocinadora High-Level como moeda de troca. Acabaram as roupas, furou de novo. Então só restou consertar e fugir, o borracheiro disparado atrás. Só que logo à frente, furaria de novo, e eles teriam de voltar ao mesmo borracheiro para se desculpar e convencê-lo a fazer mais um conserto. Tarefa fácil para quem já nasceu carismático.

O percurso, na velocidade dele, duraria no máximo três horas (quatro para pessoas normais), mas já era noite adentro e a capital paulista não se aproximava. Quis parar para descansar, mas “estamos quase chegando”, insistiu Soca.

“Beleza, então faz o seguinte, me acorda na curva”, combinaram.

O insano plano funcionou por um tempo, até que Soca também dormiu.

Desceram a ribanceira, capotando inúmeras vezes, ele gritando no meio do acidente: “Eu te avisei, Magrinho, eu te avisei”.

“Eu só queria que aquilo acabasse para eu pegar ele”, lembrava Ryan quando contava a história: “Só que acabei com pena, porque ele estourou o joelho no acidente”.

A chegada a São Paulo, onde Ryan a partir de então fincaria raízes, teria a sua própria academia, legião de alunos e rivais, foi triunfal: de carona no reboque.

A arma secreta

Muitas histórias poderiam ilustrar a cotovelada, seu golpe predileto, sistematizado através da prática reiterada fora do laboratório. Ou, de lado a linguagem da ciência, aperfeiçoado à vera, nas brigas de rua.

Que o diga o faixa-preta Jorge Pereira.

Ryan era muito amigo do meu cunhado, Paulo Guillobel, e chegou a morar na casa dele quando garoto. Mas um dia, em 1998, os dois se estranharam por conta de uma garota, e marcaram uma briga, a portas fechadas na academia, para resolver as diferenças.

Seria dentro da Gracie Barra, mas na hora prevista o Carlinhos, tio e professor de Ryan e do professor de Guillobel, Jorge Pereira, estava comigo e com Vitor Belfort, subindo a Pedra da Gávea.

Chegamos atrasados, e o duelo dos dois já se desenrolava na rua, em frente à academia. Amigos que eram, parecia uma briga de comadres, onde nada acontecia, Ryan por cima, dentro da guarda de Guillobel. Brigaram porque acertaram publicamente que iam fazer. O ritmo era tão tranquilo que, no meio da confusão, Ryan já estava discutindo com Jorge.

Carlinhos chegou apaziguando. Para não intervir e alguém sair no prejuízo na hora do “aparte”, ele sugeriu: “Se os dois ficarem em pé, acaba, tudo bem?” Ambos concordaram. Guillobel então esperneou e ficou em pé.

Jorge então foi conversar com Ryan, tomar satisfação do que o Fera tinha dito para ele durante a briga. Não houve conversa. Tomou uma cotovelada, caiu de joelhos grogue.

Uma hora depois, Ryan já tinha ido embora, Jorge voltou para conversar com Carlinhos. Queria resolver aquilo. Os dois acabaram se entendendo e o episódio não teve sequência. Mas, ali, na garagem da casa do mestre, e ainda sem ter passado a raiva, Jorge deu de ombros, coçou o queixo e admitiu:

“Temos de tirar o chapéu para a cotovelada do garoto”.

Estreia com bolsa de 150 mil dólares

Foi em 2000 o grande marco da vida de Ryan.

Envolvido numa confusão na Ilha dos Pescadores, casa de festas no Rio, ele passou 17 dias preso, acusado de esfaquear um valentão da noite, apelidado de “Chuck Norris”.

Em entrevista publicada na edição #39 de GRACIEMAG, ele me contou que não comia direito e que ficava junto com 35 presos. Apesar disso, a convivência foi boa:

“Eles não me perturbavam, eu ficava quieto num canto da sala. Todos me tratavam bem, dei autógrafos e umas camisas, tanto para os presos como para os policiais.”

No entanto, aquilo o assustou:

“Não quero nunca mais voltar e tenho fé que não vou mais parar num lugar como aquele”, ele disse.

Diante da resposta, perguntei se ele ia mudar de atitude:

“Não, mudar minha atitude não, mas vou parar de aceitar provocações, para não me meter mais em encrenca”.

Até aí, Ryan tinha alguns resultados no Jiu-Jitsu esportivo, centenas de brigas, e era conhecido no meio. Mas sua carreira profissional não existia.

Ele então pediu para eu arrumar uma luta para ele no Pride. O japonês Koichi Kawasaki, agente de Renzo, gostou da ideia. O irmão não. Achou que ele não estava preparado ainda, quis esperar um pouco. Mas Ryan insistiu, e Renzo acabou cedendo.

Sem nenhum cartel, e duas semanas após completar 26 anos, ele estreou em agosto de 2000 com uma bolsa de 150 mil dólares, valor cerca de cinco vezes maior que os lutadores brasileiros de nome recebiam para se apresentar no maior evento de vale-tudo do mundo, à época.

Enquanto caminhava para o ringue, o locutor japonês o apresentava como o maior brigador de rua da família Gracie. Não era exagero. Ao microfone, contava que em uma briga ele mordeu a orelha do adversário. Também não era mentira.

A briga citada, dele ainda garoto contra o amazonense Tico, é um clássico do Youtube. No meio dela, ele reclamou que seu adversário estava puxando seus dedos. Disseram que valia tudo. Então ele obedeceu a sua torcida: “Arranca a orelha dele”. Não chegou a tanto, mas a mordida virou parte do currículo.

Imediatamente, a juventude rebelde japonesa se identificou com Ryan. Nos eventos, ele fazia questão de ir cumprimentar os fãs, mesmo antes de suas lutas. Era então cercado por milhares deles, em busca de autógrafos, fotos, lembranças. Virou ídolo.

Os compromissos profissionais obrigaram Ryan a se dedicar mais aos treinos. Sua vida de festas, viagens e mulheres teve que conciliar uma agenda de treinos. Não tinha outro jeito. Se não treinasse, não tinha como lutar.

Talvez o lutador mais habilidoso que já conheci, nessa fase ele melhorou tecnicamente, e conseguiu potencializar ao menos um pequeno percentual de seu generoso talento.

Se seguisse nessa trajetória, a Via Láctea era o limite.

Mas as lutas trouxeram muito dinheiro, e o dinheiro mais facilidades. Mais festas, mais mulheres, mais prazer. E o espaço dos treinamentos na agenda ficou mais reduzido. Antes de ele perceber e tentar sossegar, ele ainda ia pisar fundo no acelerador. Fundo a ponto de não ter mais como frear.

 

Ryan Gracie não morreu

De agosto de 2000 a dezembro de 2004, Ryan fez sete lutas, todas no Pride, todas contra ídolos locais.

Os pontos altos foram a estreia avassaladora, derrubando e nocauteando uma estrela do wrestling local, a luta contra Sakuraba, em que perdeu por decisão dos jurados mas galgou mais alguns metros na montanha da fama, e as ocasiões em que decidiu a favor dos Gracies nos confrontos de equipes do Pride Bushido.

Outro destaque foi a chave que envergou o braço de Shungo Oyama, judoca que o tinha desrespeitado na coletiva de imprensa. Quis (mas não foi atendido) enfrentar Hidehiko Yoshida, o campeão olímpico de judô. Sabia que a luta lhe renderia ainda maior projeção.

Seguramente o maior desafeto de Ryan, o faixa-preta Jorge Patino, o Macaco, declarou ao jornal “Diário de São Paulo”, alguns dias após a morte do rival:

“Mesmo não sendo um lutador de ponta, Ryan tinha um desejo de vitória muito grande, não tinha medo e não aceitava desaforos, requisitos admirados pelos japoneses”. Ainda para o jornal, Macaco reconheceu que o respeito e o fanatismo pelo estilo de Ryan no Japão foram marcantes.

Ryan e Macaco brigaram umas dez vezes, em 15 anos. Em restaurantes, em eventos de vale-tudo, dentro da Federação Paulista, na rua. Chegaram a passar alguns anos em armistício, mas voltaram a se estranhar, e chegaram às vias de fato.

Ainda assim, embora procure diminuir o valor como lutador, Macaco reconhece a popularidade do inimigo.

De fato, os resultados de Ryan foram pequenos comparados ao que ele representa. Das sete lutas que fez no Pride, cinco foram lutas principais (como termo de comparação, Rodrigo Minotauro foi a estrela maior em cinco eventos do Pride – sendo que, diferentemente, o baiano lutou 21 vezes na organização).

Não foi à toa que Ryan figurou em nove capas de GRACIE Magazine e da Revista “Nocaute”.

Elvis Presley pode não ter sido o mais virtuoso dos músicos, mas não deixou de ser o mais popular.

Em 2005, Ryan praticamente rasgou um cheque de um milhão de dólares, valor oferecido pelo Pride pelas atividades naquele ano do Gracie, que jamais voltaria a lutar.

Agarre-me se for capaz

Com as glórias, vieram mais dinheiro, mais compromissos, mais tensão, mais obrigação, e a droga parecia ser a válvula de escape. Talvez o maior problema nem tenha sido os tóxicos, mas os remédios e principalmente o álcool.

Fato é que ele começou a dar sinais de que precisava de ajuda. E a família, os amigos, a mulher, os alunos, todos tentaram ajudá-lo. Ele próprio tentou, com todas as forças. Passava dias, às vezes semanas sem usar nada, mas vinha a crise de abstinência, e era mais forte do que ele.

Ryan não estava acostumado a ser domado, e não aceitou ser controlado. Quando seu subconsciente eclodia, ele fazia o que queria. Sempre foi assim.

Tinha o corpo fechado, fazia questão de desafiar o sistema, criar uma situação adversa, e enfim escapar por um triz. Sempre.

No carnaval de 2002, numa rave em Ibiraquera, sul do Brasil, ele estava tomando uma junta e entrei no meio de meia dúzia de curitibanos menos graduados da Chute Boxe para afrouxar a gravata que Ryan tomava. Em fração de segundos, a primeira reação quando saiu do sufoco foi angariar para o seu lado, com gestos, dois seguranças da festa: “Tá comigo, tá comigo”. Seus alunos chegaram em seguida e a situação piorou muito antes de melhorar. Mas ele saiu ileso.

Perto dele, o Frank Abganale Jr, interpretado por Leonardo DiCaprio em “Prenda-me se for capaz”, parecia uma criança de castigo fugindo do quarto.

Ryan era o mestre das escapadas.

Ele era capaz de analisar todos os aspectos antes de piscar os olhos, e rapidamente tomar a decisão que o levasse à saída mais inteligente.

No auge da paranoia, do pânico que lhe afligia mais e mais com o passar do tempo, Ryan saiu de casa, na sexta-feira, dia 14 de dezembro, e, na sua cabeça, perseguido por uma facção criminosa paulista, roubou um carro para fugir. Ás no volante, a encalhada no banco da praça que virou foto nos jornais mostra que ele não era mais ele. Tentou pegar outro carro, não conseguiu, abordou um motoboy, e tentou tomar-lhe a moto. Foi dominado e preso em flagrante.

O psiquiatra contratado pela família então administrou uma dose cavalar de remédios, que provou ser um coquetel fatal misturado com outras drogas. Ryan, aos 33 anos e 2 meses, não acordaria no dia seguinte.

Barbeiragem médica à parte, ele tinha prometido que não ficaria mais trancafiado. A dor corrói, Mas talvez, nesse momento, o descanso tenha sido a melhor saída para o Fera.

Lendas de feitos imortalizaram cowboys como Billy The Kid e Jesse James.

Ryan Gracie, diferentemente, foi a própria lenda.

Lyoto Machida faz luta principal do UFC Belém contra americano invicto

Lyoto Machida volta ao octógono em 2018, no UFC Belém. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images

Pela primeira vez, a região norte do Brasil receberá uma edição do maior evento de MMA do mundo. E para sua estreia, o UFC Belém escalou um nome de peso para encabeçar o card, agendado para o dia 3 de fevereiro.

Lyoto Machida, que viveu boa parte da vida na capital do Pará com sua família, terá a responsabilidade de fechar o evento. Ex-campeão peso meio-pesado do Ultimate, o Dragão fará a luta principal, na divisão dos médios, contra o ascendente Eryk Anders.

Invicto no MMA, Anders (10v-0d) vem de vitória contundente sobre Markus Maluko no UFC do último final de semana, em Fresno. Essa foi sua segunda conquista no Ultimante, após estrear com vitória sobre o, hoje aposentado, Rafael “Sapo” Natal.

Machida (22v-8d), nove anos mais novo que Anders, tem nessa luta a chance de se recuperar na organização. Lyoto vem de três derrotas seguidas, para Luke Rockhold e Yoel Romer em 2015, e depois de cumprir suspensão por doping retornou para encarar Derek Brunson no UFC São Paulo, em outubro deste ano, e acabou nocauteado.

E para você, amigo leitor, seria esta a chance de Lyoto retormar o trilho das vitórias, ou o brasileiro ex-campeão do Ultimate terá vida dura contra Eryk Anders? Comente conosco!

Pages