GracieMag News

GMI: Alexandre Baraúna explica passagem de guarda na GFTeam Vista Alegre

Confira o detalhes de do professor da GFTeam para passar a guarda. Foto: Flashsport

Faixa-preta e líder da GFTeam ao lado do mestre Júlio César Pereira, o professor Alexandre Baraúna é um dos membros mais respeitados da comunidade do Jiu-Jitsu.

Depois de décadas como competidor assíduo, inclusive ao fazer parte do seleto grupo que formou a Seleção Brasileira de Jiu-Jitsu, Baraúna realizou seu desejo de unir a preparação física com um lugar ideal para treinar Jiu-Jitsu, e assim nasceu a nossa GMI Centro de Treinamento de Lutas Vista Alegre (CTVA).

Lá, o professor cuida pessoalmente de algumas das turmas, sempre acompanhado de professores escolhidos a dedo para auxiliar. Uma das bases mais conhecidas da equipe GFTeam, a passagem de guarda, é ensinada em detalhes nas mais diversas posições de Baraúna, sempre guiado pelo método aplicado nas aulas e cursos de capacitação da equipe, o chamado APA (antecipação, pressão e ajuste). A fórmula sintetiza o sucesso na passagem de guarda de alguns nomes conhecidos da equipe, como Rodolfo Vieira, Alexander Trans, Ricardo Evangelista, Igor Silva e outros exímios passadores.

No vídeo abaixo, Baraúna convidou o craque Denilson Pimenta para ilustrar uma de suas passagens, no qual supera a guarda laçada num só movimento. Veja o vídeo, estude a movimentação e não deixe de visitar o CTVA para conhecer mais posições e melhorar o seu Jiu-Jitsu!

Bicampeão mundial de Jiu-Jitsu, Léo Leite vai estrear no Bellator contra Phil Davis

Léo Leite com o cinturão do Legacy FC. Foto: Divulgação

De casa nova no MMA, o bicampeão mundial de Jiu-Jitsu Léo Leite já tem data, local e adversário definidos para seu debute. O judoca craque nas finalizações fará sua estreia no Bellator no dia 3 de novembro, na 186ª edição do evento, que rola na Pensilvânia, EUA. Para receber o brasuca, a organização escalou o ex-UFC Phil Davis, em duelo na divisão dos meio-pesados. As informações são do Combate.com.

Invicto no MMA com dez vitórias, três delas por finalização, Léo Leite acumulou na carreira dois cinturões do Legacy, um na divisão de meio-pesados e outro na divisão de médios. Em sua última luta, na primeira edição do Fight 2 Night, Léo encarou e venceu o francês Moise Rimbon, em novembro de 2016, na decisão dos jurados.

Já Davis (17v, 4d, 1nc), que deixou o UFC em 2015, estava em alta no Bellator desde sua chegada. Venceu nomes como Emanuel Newton, Francis Carmont e King Mo Lawal, para em seguida superar Liam McGeary e faturar o cinturão dos meio-pesados. Contudo, em sua luta seguinte, a mais recente na organização, Davis foi superado por Ryan Bader, antigo algoz no UFC, e perdeu o cinturão.

E para você, amigo leitor, a estreia escolhida para Léo Leite pode ser um pouco indigesta, ou o campeão de Jiu-Jitsu e judô tem as armas necessárias para bater o wrestler casca-grossa? Comente conosco!

Jiu-Jitsu: O mata-leão de Goiti Yamaguchi que derrubou uma invencibilidade no Bellator

Goiti Yamauchi pega as costas e finaliza Adam no primeiro round. Foto: Bellator

Mais uma atuação de gala para o finalizador Goiti Yamauchi no Bellator, evento que realizou sua 183ª edição no último final de semana, na Califórnia. Seu oponente, Adam Piccolotti, pisou no cage invicto e saiu dele com um revés aplicado com o bom e velho Jiu-Jitsu.

Depois de trabalhar em pé com belo chute, e atacar no solo com uma guilhotina e uma chave omoplata, Goiti avançou e cinturou Adam pelas costas. De lá, esperou o momento certo para pular e apertar o pescoço adversário no mata-leão, que valeu a vitória do brasileiro ainda no primeiro assalto.

Veja no vídeo abaixo o lance com o mata-leão e a luta completa logo em seguida!

.
.
LUTA COMPLETA

Jiu-Jitsu: Matheus Zimmermann ensina a passar a guarda do oponente em quatro apoios

Transição do nosso GMI para surpreender o adversário em quatro apoios. Foto: Reprodução

Em uma transição plástica, nosso GMI Matheus Zimmermann, da Top Brother Sul, nos mostra como superar aquele adversário que insiste em segurar o combate na posição de quatro apoios.

Ao invés de investir na pegada de costas, Matheus mostra uma opção para derrubar o oponente e chegar na posição de cem-quilos com segurança. Para a transição, Matheus libera a lapela do adversário e faz pegada firme. Em seguida, passa a perna por cima e usa o seu peso na lapela para tombar o oponente e chegar no controle lateral.

Veja a posição em detalhes no vídeo abaixo. Estude e para aprender mais técnicas como esta visite nosso GMI em Pelotas, no Rio Grande do Sul!

Top Brother Sul
Rua Santos Dumont, 368
2º andar, Centro, Pelotas
# (53) 3305-5494
contato@topbrotherpelotas.com
www.topbrothersul.com

Jiu-Jitsu: O estrangulamento de Erberth Santos pelo ouro absoluto do São Paulo Open

Erberth comemora mais um ouro e os pontos acumulados no ranking. Foto: Marco Aurélio/IBJJF

O São Paulo Open de Jiu-Jitsu, realizado neste mês de setembro, recebeu grandes nomes do Jiu-Jitsu em duelos de tirar o fôlego. E uma dessas batalhas foi a final do absoluto faixa-preta masculino adulto.

De um lado, Erberth Santos, que por não conseguir bater o limite de sua categoria lutou apenas na divisão de peso aberto. Do outro, Dimitrius Souza, que já havia conquistado o ouro naquele dia ao bater Hebert Junior (Gracie Barra) na divisão de peso pesado.

A colisão entre o primeiro e o quinto colocados no ranking faixa-preta da IBJJF parou o ginásio José Correa em Barueri, mas quem levou a melhor foi Erberth, ao finalizar Dimitrius no estrangulamento arco e flecha com pouco mais de um minuto de luta.

Veja como foi o duelo no vídeo abaixo e confira mais detalhes do torneio aqui!

Abu Dhabi Grand Slam de Jiu-Jitsu: os resultados completos da etapa em Los Angeles

Os fãs presentes no West Hall do Los Angeles Convention Center vibraram, no sábado 23 de setembro, com os campeões do Abu Dhabi Grand Slam Jiu-Jitsu World Tour.

Os faixas-pretas foram atrás de prêmios que chegavam a 125 mil dólares ao todo, além de pontos para o resto da temporada e para o torneio principal em Abu Dhabi, no ano que vem. A próxima etapa do Abu Dhabi Grand Slam será no Rio de Janeiro, de 10 a 12 de novembro.

Veja a trajetória dos campeões na categoria adulto na Califórnia:

Até 56kg
José Carlos Lima (GF Team) começou a mostrar que era seu dia quando Lucas Pinheiro não pôde lutar a semifinal. O outro finalista seria Rodnei Junior (Quatar BJJF), que superou João Carlos Kuraoka por 9 a 0 nas semis. Na luta pelo ouro, Zé Carlos e Rodnei empataram por 2 a 2, e o atleta da GFTeam levou a vitória por decisão dos árbitros.

Até 62kg
João Miyao (PSLBP Cicero Costha) precisou fazer três lutas até o ouro. Primeiro, ele venceu Jorge Nakamura por 8 a 4; na semifinal, passou por Alex Alducin (Renzo Gracie México) ao pegar as costas e finalizar em 37 segundos. Na final, João Miyao enfrentou o parceiro de treinos Hiago George, que vencera Nobuo Yagai por 12 a 0 na outra semifinal. Miyao venceu Hiago por 1 vantagem e ficou com o título.

João Miyao no Grand Slam de LA. Foto: Divulgação

Até 69kg
Thiago Macedo (Rodrigo Pinheiro BJJ) fez o nome numa divisão complicada. Primeiro, o campeão venceu Alexandre Vieira (BTT) por 4 a 0, nas quartas de final. Na semifinal, Macedo venceu Victor Otoniel (Cicero Costha) por 6 a 4, em luta muito dura. O oponente na final seria o talentoso americano Brian Mahecha (ATT), que batera Brandon Walensky na semifinal. A medalha de ouro foi decidida por uma bela raspagem, que deixou o placar em 2 a 0 para Thiago.

Até 77kg
Renato Canuto (Zenith BJJ) foi o campeão, após quatro batalhas: primeiro, ele passou por Bret Russell (Tinguinha BJJ) por 11 a 2, depois obteve uma vitória econômica por 2 a 0 contra John Combs (Easton BJJ), até encontrar com Jaime Canuto (equipe GFTeam) nas semifinais. A vitória veio por 4 a 2 nas vantagens, após 2 a 2 em pontos. Na final, Renato enfrentou o equatoriano Francisco Iturralde (Del Mar JJ Club), e meteu 8 a 2 no popular “Sinistro”.

Até 85kg
Victor Silvério (Gracie Barra) começou vencendo Manuel Filho (NS Brotherhood), passou por Dante Leon (GFTeam) nas vantagens e venceu, na grande final, Diego Ramalho (ZR Team) – Diego eliminara o favorito Otavio Sousa por 1 a 0 nas vantagens. Silvério quase raspou Ramalho no fim, o que foi suficiente para ganhar uma vantagem e faturar o ouro.

Até 94kg
Depois de ficar com o bronze na etapa em Tóquio, Lucas “Hulk” Barbosa (Atos JJ) voltou com fome de ouro. Em três disputas, ele venceu Fernando Tsushida, finalizou Patrick Gaudio em 36 segundos e enfrentou o polonês Adam Wardzinski (Checkmat) na final. Jogando por cima, Hulk assinalou 2 vantagens e ficou com o ouro.

Até 110kg
Rosto familiar no circuito do Abu Dhabi Grand Slam, Igor Silva voltou a mostrar seu talento, ao vencer Felipe Matos (Alliance) nas vantagens e depois Max Gimenis (GFTeam), seu velho companheiro de time. No fim, Igor faturou o ouro ao vencer por 8 a 6 no placar.

Feminino – faixa-marrom e preta

Luiza Monteiro no Grand Slam Los Angeles. Foto: Divulgação

Até 49kg
Ninguém parece capaz de destronar Mayssa Bastos (GFTeam) nessa categoria. Desta vez, ela foi para as costas de Rita Reis (Checkmat) e encaixou seu estrangulamento tradicional, para ficar com o ouro.

Até 55kg
Amanda Nogueira (GFTeam) foi a campeã até 55kg, ao enfileirar Patricia Fontes (Checkmat) na decisão do árbitro, Victoria Tome (Bruno Bastos) por finalização e, na grande final, Gabrielle McComb (Gracie Humaitá). O ouro veio pelo placar de 2 a 0 em luta parelha.

Até 62kg
Luiza Monteiro teve uma campanha e tanto. Primeiro, a estrela da NS Brotherhood precisou vencer Maxine Thylin (Gracie Southbay). A seguir, raspou melhor para vencer a pedreira Tammi Musumeci. A final foi contra Nathalie Ribeiro (Checkmat), e terminou com 1 a 0 nas vantagens para Luiza.

Até 70kg
Ana Carolina Vieira (GF Team) provou estar em grande fase. Campeã mundial pela IBJJF, a irmã de Rodolfo finalizou Raquel Canuto (Zenith BJJ) nas costas, para depois passar por Jessica dos Santos (Gracie Miquinho) na final. No placar, 6 a 0.

Até 90kg
Outra rainha dos tapetes de Abu Dhabi estava em ação nessa divisão. Nathiely de Jesus (Cicero Costha) lutou duas vezes para manter sua coroa de número um. Ela finalizou Fabiana Santos (Cavaca JJ) nas semifinais e depois se encontrou com a dura rival Claudia Do Val (De La Riva). Perdendo por uma vantagem até o finalzinho, Nathi trabalhou duro até encaixar um leglock salvador no fim, um ouro suado e merecido de uma das melhores competidoras do circuito.

Jiu-Jitsu no MMA: o estrangulamento de ombro com que Ovince Saint Preux pôs para dormir no UFC Japão

Ovince Saint Preux botou Yushin Okami para dormir no R1, na Saitama Super Arena. Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC.

O peso meio-pesado Ovince Saint Preux teve uma atuação dos sonhos, na luta principal do UFC Japão, na sexta-feira 22 de setembro: em menos de dois minutos de combate, pôs o oponente para dormir e levantou a plateia, na famigerada Saitama Super Arena, palco de velhos Prides.

A técnica utilizada pelo haitiano de 34 anos é manjada aqui pelos leitores de GRACIEMAG, já que faz parte do arsenal de lutadores como os irmãos Igor e Gregor Gracie e outros faixas-pretas da família.

Se você treina Jiu-Jitsu e ainda não bota fé na manobra, estude o estrangulamento abaixo e reveja seus conceitos.

Quem também volta do Japão com muita moral é a peso-palha brasileira Jéssica “Bate-Estaca”, que venceu a rival e também brasileira Claudinha Gadelha, numa luta sangrenta com muita troca de socos na cara.

Jéssica foi a primeira a sangrar, no primeiro assalto, mas mostrou valentia ao começar a virar a luta no primeiro assalto, ao dar uma queda no terceiro andar e cair por cima de Claudinha, batendo muito da meia-guarda, com socos e cotoveladas.

Jéssica ainda derrubou bonito novamente, no terceiro assalto, caindo com a guarda passada, e no fim levou, via decisão unânime.

UFC Japão
Saitama Super Arena, Japão
22 de setembro de 2017

Ovince St. Preux venceu Yushin Okami por finalização a 1min50s do R1
Jéssica Andrade venceu Cláudia Gadelha por decisão unânime dos jurados
“Maestro” Dong Hyun Kim venceu Takanori Gomi por nocaute a 1min30s do R1
Gokhan Saki venceu Henrique Frankenstein por nocaute aos 4min45s do R1
Teruto Ishihara venceu Rolando Dy por decisão unânime
Jussier Formiga venceu Yuta Sasaki por finalização aos 4min30s do R1
Keita Nakamura venceu Alex Morono por decisão dividida
Syuri Kondo venceu Chan Mi Jeon por decisão dividida
Shinsho Anzai venceu Luke Jumeau por decisão unânime
Daichi Abe venceu Hyun Gyu Lim por decisão unânime

Cartas de Helsinque – o dia seguinte

imagem: Flograppling

Helsinque, 25 de setembro de 2017

Obrigado Finlândia. É hora de voltar para Nova York.

Estou lisonjeado com todo o apoio que recebi antes e depois da minha luta aqui.

Kikuta é um casca-grossa, e muita gente esquece que ele também já foi campeão do ADCC.

Por isso eu sabia que não seria mole. Mas se fosse fácil, pra que lutar?

A melhor parte da luta foi quando eu já estava vencendo e ele tentou me atacar com uma guilhotina com o braço por dentro.

Aquilo foi um elogio.

Em 1998, quando eu peguei ele neste golpe, pouca gente acreditava que fosse possível finalizar alguém com este golpe, e agora tentam usar meu veneno contra mim. Qual o preço disso?

Como você já deve saber, eu venci a luta, mas isso é o de menos. O que importa é depois de mais esta batalha eu sou um lutador melhor, e portanto um professor melhor.

Por isso te encorajo a sair da zona de conforto. O resultado é sempre positivo pra quem é corajoso o bastante para assumir riscos.

E jamais subestime o conselho de levar o Jiu-Jitsu consigo o tempo todo.

A arte vai te ajudar a alcançar todo o seu potencial.

Antes de eu pegar meu voo, deixe-me parabenizar os meus companheiros que participaram do ADCC 2017. É impressionante o nível técnico das lutas. Aprendi muito assistindo vocês este fim de semana. Obrigado.

Vejo vocês em 2019. Definitivamente.

Renzo Gracie

PS1.A oferta de assistir ao meu curso “Renzo Gracie, Dominando o Jiu-Jitsu” por apenas 60 reais era pra ter acabado ontem. Mas exigi que a Gallerr estendesse este desconto por mais alguns dias, então se inscreva agora antes que eles parem de me escutar.

PS2. Além da camisa que usei no ADCC, vou incluir outros items no sorteio que faremos esta semana. Fique ligado, porque serão umas coisas legais. Se você for um dos nossos alunos online, tem chance de vencer. Então entre logo para nossa família e se inscreva na Gallerr Academy.

Resultados ADCC 2017: Felipe Preguiça finaliza Buchecha e é campeão absoluto

Felipe Preguiça comemora vitória sobre Gordon Ryan com seus companheiros da Gracie Barra. Foto: Luca Atalla/Gallerr

Depois de definir os campeões do ADCC nas suas respectivas categorias de peso, era chegada a hora da frenética disputa do absoluto no ADCC 2017, que rolou neste domingo, dia 24, em Helsinque, na Finlândia.

Com poucos minutos ou nenhum tempo para o descanso entre as batalhas, dependendo do caso, e com alguns atletas recém saídos do tatame nas disputas de peso, a disputa do aberto foi um show à parte para quem acompanhou as lutas na Espoo Arena. Nomes como Marcus Buchecha, Felipe Preguiça, Xande Ribeiro, Celsinho Venícius, Mahamed Aly, Dillon Danis e Chael Sonnen entraram na disputa, mas foi Preguiça quem brilhou na complicada chave de peso livre.

Para conquistar o ouro, Felipe fez quatro lutas, além das outras duas que já havia feito no mesmo dia na disputa até 99kg. Preguiça bateu Celsinho Venícius e Victor Honório para chegar na semifinal contra o campeão acima de 99kg Marcus Buchecha.

Favorito ao título, Buchecha se viu em maus lençóis ao permitir o avanço de Preguiça. Visivelmente cansado, Buchecha não consegui evitar que Preguiça chegasse em suas costas, posição na qual encaixou o mata-leão para finalizar aos 6min44s do duelo.

Do outro lado da chave, Gordon Ryan avançou com força total. O americano finalizou Roberto Cyborg na chave de calcanhar, em seguida pegou Craig Jones no kata-gatame e depois Mahamed Aly no leglock.

Para a finalíssima, Felipe teve de defender algumas investidas no pé aplicadas por Gordon, especialista no assunto. Contudo, em uma dessas defesas, Preguiça usou a posição do oponente para escorregar até as costas. De lá, Felipe trabalhou para finalizar, mas sem conseguir pegar no mata-leão, ficou com o título absoluto após somar 6 a 0 com os ganchos pelas costas.

Agora, Preguiça fica definido para encarar André Galvão, campeão da superluta deste ano, na edição do ADCC em 2019.

Renzo Gracie e Chael Sonnen vencem superlutas

Além das finais e das disputas do absoluto, duas superlutas entre veteranos da luta agarrada rolaram. Na primeira disputa, Renzo Gracie voltou a encontrar Sanae Kikuta, ex-adversário do Pride.

Renzo partiu para tentativas de queda, enquanto Kikuta parecia buscar o jogo no erro do oponente. O duelo foi disputado quase completamente em pé, com trocas de pegada que procuravam uma brecha. No fim das contas, Renzo foi declarado vencedor po 1 a 0 nas punições.

Na superluta seguinte, Leozinho Vieira encarou Chael Sonnen. Confiante em sua guarda, Leozinho jogou com as costas no solo, enquanto Sonnen fazia tentativas de passagem. O duelo se estendeu desta forma no tempo regulamentar e nos dois tempos extras. Ao fim da disputa, Chael Sonnen ficou com a vitória na decisão dos árbitros.

Chegou a revista digital GRACIEMAG, clique abaixo e leia no seu celular!

Resultados ADCC 2017: Buchecha, Cobrinha, Gabi, Yuri e mais campeões na Finlândia

Marcus Buchecha venceu Orlando Sanchez na final acima de 99kg. Foto: Instagram/GRACIEMAG

Este domingo, dia 24 de setembro, foi reservado para conhecermos os campeões da edição 2017 do ADCC, que rola em Helsinque, na Finlândia. Nomes conhecidos do evento e caras novas chegaram ao lugar mais alto do pódio em lutas de tirar o fôlego.

Depois de receber no sábado, dia 23, grandes combates que definiram as semifinais, os duelos do último dia premiaram os melhores em cada categoria de peso. Veja abaixo o resumo de cada final de peso desta edição do ADCC!

60kg
Depois de intensa troca de pegadas no início do combate, com tentativas de queda, Bia Mesquita consegue a melhor investida ao cinturar pelas costas e derrubar. Bia Basílio não aceitou e caiu sentada, mas Mesquita avançou direto para as costas, antes de espalhar o frango e finalizar no mata-leão.

+60kg
Em duelo definido com pressão, Gabi Garcia levou Talita ao solo e montou. Treta virou de lado e tentou a ponta para escapar da montada, mas Gabi atacou na americana e finalizou com pouco mais de um minuto de luta.

MASCULINO

66kg
Rubens Cobrinha insistiu nos single-legs, bem defendidos por AJ Agazarm. Ao chegar no solo, Cobrinha foi para as costas, atacou no estrangulamento algumas vezes mas AJ foi capaz de se defender e voltar em pé. Cobrinha voltou a atacar nas costas, conseguiu acumular 6 a 0 nos pontos para garantir a vitória e seu terceiro título do ADCC, após vencer todos os principais eventos da temporada.

77kg
Voltando de lesão, JT Torres avançou bravamente nas chaves da divisão até encontrar Lucas Lepri na final. Medalha de prata no ADCC 2015, Lepri atacou as costas e viu Torres escapar. Por cima, o brasileiro trabalhou para passar, sem sucesso. No tempo extra, JT consegue cinturar pelas costas, derrubar e colocar os ganchos, para somar 3 a 0 no placar e ficar com o título.

88kg
Embalado no ADCC, o jovem Gordon Ryan foi para cima do compatriota Keenan Cornelius e consegui uma queda logo no início, ainda sem valer pontos. No solo, Gordon atacou na guilhotina duas vezes. Na primeira Keenan escapou, mas na segunda, mesmo com o braço dentro, este não foi páreo para o arrocho de Gordon, e bateu para dar a vitória a Gordon Ryan por finalização.

99kg
Em duelo movimentado, Yuri Simões foi para cima de Felipe Preguiça com tudo. No solo, Felipe botou na 50/50, levantou e tentou atacar a guarda de Yuri. Depois de se embolarem na troca de posições, com a luta em pé, Yuri consegue cinturar por trás e pular para tentar pegar as costas. Felipe cai e Yuri, por cima, contabiliza os dois pontos da queda para vencer. Com a conquista, Yuri alcança a marca de dois títulos do ADCC em categorias diferentes (Em 2015, no Brasil, Yuri mordeu o ouro na divisão até 88kg).

+99kg
Marcus Buchecha encarou na final acim de 99kg o atual campeão da divisão, Orlando Sanchez em duelo forte. Orlando foi o primerio a ter vantagem, ao ficar por cima de Buchecha no norte-sul. Buchecha reverteu a posição e derrubou Orlando, para pegar as costas e atacar no mata-leão. Orlando se defende e consegue voltar em pé. Após uma cabeçada acidental que feriu Orlando, Buchecha atacou na guilhotina, girou para as costas, colocou os ganchos e somou seis pontos no total para vencer por 6 a 0 e garantir mais um título.

Confira abaixo os resultados finais!

FEMININO
60kg
Bia Mesquita finalizou Bia Basílio no mata-leão
3°lugar – Michelle Nicolini

+60kg
Gabi Garcia finalizou Talita Treta na americana
3°lugar – Jéssica Flowers

MASCULINO

66kg

Rubens Cobrinha venceu AJ Agazarm por 6 a 0 nos pontos
3°lugar – Paulo Miyao

77kg
JT Torres venceu Lucas Lepri por 3 a 0 nos pontos
3°lugar – Vagner Rocha

88kg
Gordon Ryan finalizou Keenan Cornelius na guilhotina
3°lugar – Xande Ribeiro

99kg
Yuri Simões venceu Felipe Preguiça por 2 a 0 nos pontos
3°lugar – Jackson Sousa

+99kg
Marcus Buchecha venceu Orlando Sanchez por 6 a 0 nos pontos
3°lugar – Roberto Cyborg

Resultados ADCC 2017: Confira os campeões em tempo real

66kg Rubens Cobrinha x AJ Agazarm
3°lugar – Paulo Miyao 77kg Lucas Lepri x JT Torres 3°lugar – Vagner Rocha 88kg Keenan Cornelius x Gordon Ryan 3°lugar – Xande Ribeiro 99kg Felipe Preguiça x Yuri Simões 3°lugar – Jackson Sousa +99kg Marcus Buchecha x Orlando Sanchez 3°lugar – Roberto Cyborg 60kg Bia Mesquita x Bia Basílio 3°lugar – Michelle Nicolini +60 Gabi Garcia x Talita Treta 3°lugar – Jéssica Flowers

Cartas da Finlândia – O dia da luta

Helsinque, 24 de setembro de 2017

É manhã de domingo aqui na linda Finlândia, e logo estarei a caminho da Arena Metropolitana de Espoo, onde tenho um encontro marcado com Sanae Kikuta, um amigo de longa data.

Sexta-feira de noite, eu estava conversando com um grupo de amigos pelo WhatsApp, e me perguntaram o que estava fazendo.

Brinquei: “Estou sozinho aqui; tá todo mundo entocado, com medo de amanhã”.

Lembro que, quando eu era bem jovem, fui convidado pra falar numa faculdade ao lado de especialistas de vários campos.

Colocaram a gente num palco. A cortina estava fechada, e faltava um minuto para que a abrissem.

Eu estava nervosíssimo.

Lembro que em dado momento eu pensei:

“Por que eu estou nervoso?”

Aí comecei a falar sozinho:

“Ninguém no mundo tem o conhecimento nem o domínio que tenho sobre o assunto de que vou falar. Sou o melhor do mundo nisto. Por que é que estou nervoso?”

Então, quando abriram a cortina, eu estava completamente relaxado.

Depois, muita gente veio me dizer que eu tinha sido o melhor palestrante da noite.

Toda essa confiança vem de treinar duro e entender que a competição nada mais é que um teste.

É igual a quando você estuda matemática e depois faz uma prova pra ver quão aguçado está o teu conhecimento.

Então, ficar nervoso pra quê?

Na verdade, espero que, em poucas horas, eu encare um Kikuta em sua melhor forma física, de modo que este teste valha todo aquele suor e o tanto que quebramos a cabeça naqueles tatames azuis e cinza.

Te vejo na arena.

Renzo Gracie

P.S. 1: Você encontra os vídeos com o tema de “dia da luta” e “mentalidade de competição” no módulo 17 de “Renzo Gracie: Dominando o Jiu-Jitsu”, o curso on-line da Gallerr Academy que tem um preço especial de R$ 60 até a meia-noite de hoje.

P.S. 2: Inscrevendo-se agora, você vai poder não só ver 225 vídeos com o meu conhecimento, mas também vai concorrer à rash guard que vou usar na luta, autografada.

ADCC 2017: Renzo Gracie e a guilhotina sobre Sanae Kikuta no Pride 2

Anúncio oficial do Pride 2 para o duelo entre Gracie e Kikuta. Foto: Reprodução

Protagonistas de uma das superlutas do ADCC 2017, Renzo Gracie e Sanae Kikuta irão se reencontrar para um combate após 19 anos do primeiro encontro. O duelo será sem kimono será após as finais deste domingo, dia 24 de setembro, em Helsinque, na Finlândia.

A primeira vez que Renzo e Kikuta se enfrentaram foi no Pride 2, em março de 1998. O Gracie havia acabado de completar 21 anos, dois dias antes da luta, mas já era um veterano no Vale Tudo e no MMA, com sete lutas sem amargar derrotas. O japonês Sanae, por sua vez, tinha oito lutas, com apenas uma derrota, e já havia conquistado dois GPs em sua terra natal, ambos com mais de três lutas na mesma noite.

O duelo foi disputado, Renzo Gracie travou uma verdadeira batalha contra o judoca de origem. Contudo, para liquidar a fatura no sexto round, após quase uma hora de combate, o Gracie atacou com uma justa guilhotina. Após a conquista, nomes como Rickson Gracie, Rilion Gracie, Royler Gracie, Maurição Gomes e Claudinho Coelho pularam no ringue para vibrar junto com o campeão.

Confira no vídeo abaixo a vitória de Renzo Gracie sobre Sanae Kikuta e aqueça para a superluta que promete sacudir a Finlândia neste domingo!

.
.
Luta Completa

Renzo Gracie vs. Sanae Kikuta – Pride FC 2

Chegou a revista digital GRACIEMAG, clique abaixo e leia no seu celular!

Resultados ADCC 2017: semifinais definidas com zebras; André Galvão vence superluta

André Galvão entrar para a história como primeiro atleta a vencer três superlutas seguidas no ADCC. Foto: Erin Herle/GRACIEMAG

O primeiro dia do ADCC 2017, realizado na cidade de Espoo, no estado de Helsinque, na Finlândia, quebrou várias expectativas dos fãs de Jiu-Jitsu em todo mundo. Neste sábado, dia 23 de setembro, foram definidos os semifinalistas de todas as categorias, no masculino e feminino, além de trazer a aguardada superluta entre André Galvão e Cláudio Calasans, velhos parceiros de treinos na Atos.

Na última luta do dia de abertura, os amigos de infância Galvão e Calasans não mediram esforços para conquistar o título da superluta. O começo foi marcado pelo equilíbrio e tentativas de queda de Calasans com técnicas de judô, enquanto Galvão buscava tirar a base do oponente com a mão no pescoço e ataques nas pernas. Em uma tentativa no single-leg, André levou Calasans ao solo, e este atacou na chave de ombro, bem defendida por Galvão.

Ao fim dos primeiros dez minutos, que marcavam o início da contagem de pontos, Galvão derrubou mais uma vez no single-leg, atacou pelas costas e acumulou 12 pontos na troca de ganchos, uma peculiaridade das regras do ADCC. Sem conseguir finalizar pelas costas, Galvão montou, tentou o kata-gatame e Calasans, duro na queda, resistiu ao golpe.

Mesmo com 14 a 0 no placar, Galvão continuou a acelerar o combate, até o fim dos 20 minutos que marcaram a terceira vitória seguida de André Galvão em superlutas do ADCC – ele vencera Bráulio Estima nas costas em 2013 e Roberto Cyborg em 2015.

Zebra rouba a cena no grupo da morte e favoritos também avançam

Nas divisões de peso deste ADCC 2017, fortes duelos foram apresentados nos três tatames montados na Espoo Arena. Nomes famosos do cenário e jovens talentos dividiram espaço na busca pela vaga nas semifinais. Entre as zebras, destaque para Craig Jones. Em sua primeira luta, Jones finalizou Leandro Lo, que figurava entre os favoritos ao título, com um justo mata-leão. Em seguida, aplicou um belo triângulo voador no experiente Murilo Santana, e assim garantiu sua vaga na semifinal contra Keenan Cornelius, que despachou a revelação Kaynan Casemiro.

Outros destaques foram Pablo Mantovani, que mordeu a vaga no segundo após bater Augusto “Tanquinho” Mendes na decisão, e Elvira Karppinen, que superou a atual campeã até 60kg Mackenzie Dern por 4 a 2, ao raspar duas vezes e resistir ao famigerado mata-leão da omoplata de Mackenzie no fim do combate.

Entre os favoritos, avançaram nomes como Marcus Buchecha, com duas finalizações anotadas; Rubens Cobrinha, Paulo Miyao, Xande Ribeiro, Yuri Simões, Felipe Preguiça e Lucas Lepri. No feminino, Gabi Garcia, Bia Mesquita e Talita Treta também seguem vivíssimas.

Veja abaixo os resultados que definiram os semifinalistas de amanhã no ADCC 2017 e fique ligado no GRACIEMAG.com para mais detalhes do torneio na Finlândia!

66kg

Rubens Cobrinha finalizou Kuba Witkowski no armlock
Paulo Miyao venceu Geo Martinez por 8 a 2 nos pontos
Pablo Mantovani venceu Augusto Tanquinho Mendes na decisão
AJ Agazarm venceu Ethan Crelinsten por 2 a 0 nos pontos

77kg

Vagner Rocha venceu DJ Jackson por 1 a 0 nas punições
Lucas Lepri venceu Mansher Khera por 1 a 0 nas punições
JT Torres venceu Celsinho Venicius na decisão
Garry Tonon venceu Marcelo Lapela por 4 a 2 nos pontos

88kg

Keenan Cornelius finalizou Kaynan Casemiro na chave de calcanhar
Craig Jones finalizou Murilo Santana no triângulo voador
Gordon Ryan finalizou Romulo Barral no mata-leão
Xande Ribeiro finalizou Rustan Chsiev no armlock

99kg

Felipe Preguiça venceu Abdukhman Bilarov por 5 a 0 nos pontos
Rafael Lovato venceu Mahamed Aly por 3 a 0 nos pontos
Yuri Simões venceu Mike Perez na decisão
Jackson Sousa venceu João Assis na decisão

+99kg

Orlando Sanchez venceu Tom DeBlass na decisão
Jared Dopp venceu Vinny Magalhães por 3 a 0 nos pontos
Marcus Buchecha finalizou Tim Spriggs no mata-leão
Roberto Cyborg venceu Victor Honório na decisão

60kg

Elvira Karppinen venceu Mackenzie Dern por 4 a 2 nos pontos
Bia Basílio venceu Talita Alencar na decisão
Michelle Nicolini venceu Rikako Yuasa na decisão
Bia Mesquita finalizou Ffion Davies no armlock

+60kg

Gabi Garcia finalizou Amanda Santana na chave de pé
Jéssica Flowers finalizou Marysia Malyjasiak no armlock
Talita Treta venceu Venla Luukkonen por 2 a 0 nos pontos
Samantha Cook venceu Tara White por 3 a 0 nos pontos

Chaves do ADCC 2017: o caminho dos favoritos até o título na Finlândia

Cobrinha e Tanquinho fizeram grande duelo no ADCC 2015 e podem voltar a se encontrar na Finlândia. Foto: Ivan Trindade/GRACIEMAG

É chegada a hora da verdade para o ADCC 2017, evento de luta agarrada que rola neste final de semana, nos dias 23 e 24 de setembro, na Finlândia. Após definir seus 96 atletas participantes, as chaves foram devidamente riscadas hoje, e nós mergulhamos no casamento das lutas para tentar prever o andamento das divisões. Confira conosco!

66kg

Na divisão mais leve, Rubens Cobrinha entra como favorito. Campeão do ADCC 2015 no Brasil, Cobrinha chega embalado pela conquista do grand slam do Jiu-Jitsu nesta temporada 2016/2017. Contudo, outros nomes podem complicar a vida do campeão. Paulo Miyao, outro grande talento da divisão, pode pegar Cobrinha em uma das semifinais. Para isso, Paulo precisará superar Geo Martinez, pupilo de Eddie Bravo, em uma das possíveis quartas de final.

Do outro lado da chave, Augusto Tanquinho, único representante do UFC na competição, pode pegar Pablo Mantovani, brasileiro campeão na seletiva carioca, nas quartas de final. Quem passar, pode encontrar na semifinal o vencedor de AJ Agazarm e Nicky Ryan, que fazem umas das primeiras lutas mais aguardadas da disputa. Rodeado de polêmicas em seus combates mais recentes, Agazarm terá pela frente o jovem Nicky Ryan, de 16 anos, aluno de John Danaher que ficou famoso ao sobrepujar adversários maiores, mais velhos e mais graduados em torneios sem kimono.

77kg

Lucas Lepri, vice-campeão de 77kg no ADCC 2015, se coloca à frente das apostas para o título. Nas quartas de final, se passar, terá pela frente o vencedor do duelo entre Mansher Khera e Sérgio Ardilla, que prometem um belo combate. Caso chegue a uma das semifinais, Lepri medirá forças com DJ Jackson, Leonardo Cascão ou Vagner Rocha. DJ e Cascão se encaram logo na primeira rodada, em uma disputa que deve ser travada no clássico passador x guardeiro. Vagner, ex-atleta do UFC, lutou bem na edição 2015 e tem armas para alcançar as semifinais assim como os outros competidores.

Do outro lado, JT Torres volta às competições após um pesado treinamento na Atos. Outros concorrentes na disputa são o tricampeão mundial Celsinho Venicius, o jovem e ávido Felipinho César, o veterano da Checkmat Marcelo Lapela e Garry Tonon, atleta da academia de Renzo Gracie em NY que aterroriza adversários sem kimono nos EUA.

88kg

Considerado o grupo da morte desta edição, a categoria chega recheada de favoritos. De um lado da chave, Keenan Cornelius deve avançar sobre o polonês Piotr Marcin Frechowicz na abertura para se classificar às quartas de final e encarar o vencedor de uma luta interessante. Pablo Popovich, veteraníssimo do ADCC com muitas participações no torneio, encara na primeira luta o jovem Kaynan Casemiro, que faturou a seletiva carioca do ADCC quando ainda era faixa-roxa, ao sobrepujar nomes famosos da faixa-preta. A disputa entre a experiência e o vigor da juventude promete uma bela luta.

No mesmo lado, Leandro Lo e Murilo Santana podem se encontrar logo nas quartas de final. Ex-companheiros de Cícero Costha, o combate será acompanhado de perto pelos oficiais do ADCC. Lutas de conhecidos sempre são analisadas para não haver combinação de resultado. Caso constatado, os dois competidores serão retirados do torneio. As regras do ADCC neste quesito sempre foram duras. 

Do outro lado da chave, Xande Ribeiro estréia no ADCC 2017 contra o americano John Salter. Caso passe, pode ser que o brasuca tenha uma dura disputa contra Rustan Chsiev. Terceiro lugar no ADCC 2015, Rustan rechaçou múltiplas investidas de finalização na edição brasileira e avançou até o bronze, com quedas poderosas e muita força na troca de pegadas. Ainda deste lado, Rominho Barral dá inicio a sua participação no evento contra o australiano Kit Dale, e se passar encontrará nas quartas de final o vencedor de Dillon Danis x Gordon Ryan, duelo que tem muito trash talking envolvido entre os americanos rivais.

99kg

Das oito lutas de abertura desta divisão, seis delas contam com brasileiros na disputa. Vice-campeão da divisão em 2015, Felipe Preguiça retorna ao ADCC para buscar o título, mas primeiro terá que superar o ex-UFC Jake Shields. Fera nas defesas de solo, Shields deve encarar Preguiça em uma das possíveis quartas de final e, caso avance, o brasileiro terá pela frente o vencedor de Rafael Lovato x Mahamed Aly, que devem se encontrar em outra das quartas de final.

Do outro lado, Yuri Simões, campeão em 2015 na divisão até 88kg, pode pegar o duro Salomão Ribeiro, da Alliance, logo nas quartas de final. O dono da outra vaga na semifinal ficará decidido após os duelos nada fáceis de João Assis x Jeff Monson e Jackson Sousa x Paul Ardila.

+99kg

Maior campeão da história do Jiu-Jitsu, Marcus Buchecha ingressaria na divisão como franco favorito na disputa sem kimono. Contudo, a categoria encontra-se recheada de grandes nomes prontos para estragar sua festa. Logo nas semifinais, Buchecha pode enfrentar Tim Spriggs, americano em forte crescente no cenário do Jiu-Jitsu. Caso passe, Buchecha pode pegar na semifinal o vencedor de um duelo aguardado. Roberto Cyborg, se vencer sua primeira luta, encara nas quartas de final uma possível disputa contra Victor Honório, faixa-preta da GFTeam e ex-atleta da seleção brasileira de wrestling que chega embalado na competição.

Na outra face da chave, Orlando Sanchez, campeão da categoria no ADCC 2015, pode ficar frente a frente com Tom DeBlass logo nas quartas de final. No mesmo lado, Vinny Magalhães encara Bruno Bastos na única disputa entre brasileiros da primeira rodada. Quem passar, pega o vencedor de Jared Dopp x Abdulaev Ruslan nas quartas de final.

Em sua primeira luta no ADCC 2015, Gabi Garcia finalizou no braço. Foto: Arquivos GRACIEMAG

Feminino

Até 60kg

Campeã do torneio no ADCC 2015, Mackenzie Dern volta com pressão para defender seu título. Se passar de sua primeira luta, Mack encara em uma das semifinais a vencedora de Talita Alencar x Bia Basílio, combate que promete incendiar os fãs.

Na outra face da chave, disputa de campeãs mundiais entre Michelle Nicolini e Rikako Yuasa. Quem vencer, deve pegar Bia Mesquita, que faz a luta de abertura contra a americana Ffion Davies.

Acima de 60kg

Entre os nomes da divisão, Gabi Garcia entra com grande favoritismo. Na primeira luta, Gabi encara a revelação Amanda Santana, faixa-preta de Márcio Pé de Pano e campeã mundial sem kimono. Se Gabi passar por amanda, pode ter pela frente na semifinal a dura Jéssica Flowers, que foi sua algoz no ADCC 2015.

Do outro lado, Talita Treta, campeã mundial e atleta do Bellator, encara Venla Luukkonen na luta de abertura. Se vencer, a brasileira enfrenta na semifinal a vencedora de Tara White x Samantha Cook.

E para você, amigo leitor, quem é o favorito de cada categoria? E quem vai morder o absoluto? Comente conosco e acompanhe todos os detalhes do ADCC 2017 no GRACIEMAG.com!

Chegou a revista digital GRACIEMAG, clique abaixo e leia no seu celular!

Combate transmite ao vivo o Abu Dhabi Grand Slam de Los Angeles neste sábado

Grandes lutas e fortes emoções são esperadas no Abu Dhabi Grand Slam de LA. Foto: Arquivos GRACIEMAG

Tudo pronto para mais uma edição do tour de Jiu-Jitsu da UAEJJF. Em sua próxima parada, o Abu Dhabi Grand Slam de Jiu-Jitsu apresenta grandes emoções em Los Angeles, nos EUA, e o Combate transmite ao vivo os melhores duelos da disputa neste sábado, dia 23, a partir das 19h, horário de Brasília.

Grandes nomes do Jiu-Jitsu mundial já garantiram sua presença, e lutam em busca não só do ouro e dos pontos valiosos para o ranking da organização, mas também por prêmios em dinheiro.

Em destaque no torneio, temos nomes famosos como Otávio Sousa, João Miyao, Isaque Bahiense, Jaime Canuto, Victor Silvério, Lucas “Hulk”, Patrick Gáudio, Alexandre Vieira, Yan “Pica-Pau” e muitos outros.

A narração do evento será de André Azevedo, com comentários de Carlão Barreto. Então não perca! Fique ligado no Combate neste sábado e confira os melhores lances do Abu Dhabi Grand Slam de Los Angeles!

Cartas de Helsinque (por Renzo Gracie)

Helsinque, 21 de setembro de 2017

Renzo Gracie falando. Já estou na Finlândia, onde vou me divertir neste domingo lutando com meu velho amigo Sanae Kikuta no ADCC.

Talvez você nem fosse nascido quando eu e ele lutamos no Pride 2, em fevereiro de 1998.

Dizem que o melhor momento pra plantar uma árvore foi vinte anos atrás. E o segundo melhor é agora.

Então, aos 50 e poucos anos, eu não poderia estar mais grato por ser convidado para lutar profissionalmente. E não pense que esta vai ser minha última luta.

Outro dia eu estava lá na minha academia, dizendo para o Luca – meu parceiro na Gallerr, que eu estou entrando em forma.

Aí ele disse, “Mas, Renzo, a luta é nesta semana”.

Respondi, “A luta, não – uma luta. E aí, eu vou me divertindo um pouco enquanto entro me forma”.

Machuquei meu LCA uns dias antes da minha última luta de submission contra o Sakuraba, e agora, quase três anos depois, estou ficando pronto de novo.

Então, já que meu corpo está bem, eu me fiz a seguinte pergunta: por que não fazer um bando de lutas antes do fim do ano? Esse vai ser meu objetivo.

Mas chega de falar de mim. Aproveitemos esta oportunidade pra falar de você.

  • Como anda o teu treinamento?
  • Acha que eu posso te ajudar a alcançar as tuas metas?
  • Por favor, me diga. Fale comigo no Facebook, Instagram, ou passe na minha academia.

Enquanto isso, eis o que posso fazer:

Até a meia-noite do dia da minha luta contra o Kikuta (domingo, 24 de setembro), pedi à Gallerr que desse 50% de desconto no meu curso “Dominando o Jiu-Jitsu”.

Você pode estar se perguntando, “Mas o que é ‘Dominando o Jiu-Jitsu’?”.

A gente fez até um e-book gratuito em que você pode ver como é acessível o curso. É como um bê-á-bá do jiu-jitsu.

Baixe agora o e-book, e veja como organizamos uma material de altíssima qualidade.

Vou te dizer algumas coisas (na verdade, 13 coisas) sobre o curso.

1. A gente produziu 225 vídeos inéditos. Isso mesmo – 225!

2. Veja minhas técnicas preferidas, incluindo segredos da guilhotina, e sua história.

3. Fugas (por exemplo, você sabe se livrar dum triângulo arrochado?).

4. Temos muitos convidados: Frankie Edgar, Tom DeBlass, Gregor, Cachorrão, Neiman, e muitos outros.

5. Entrevistas: eu geralmente falo pra caramba, né? E nesse curso não é diferente. Mas o legal é que no curso não sou só eu que falo… Escute o John Danaher, e garanto que você sairá mais inteligente.

 6. Entenda os conceitos por trás das técnicas. Sabia que uma das coisas que podem te impedir de finalizar é o movimento de mola? Use-o a teu favor.

7. O que é uma postura de “buscar o bote”? Entenda-a e desenvolva-a, que ela pode te ajudar em outros aspectos da vida.

8. Técnicas de defesa pessoal. Imagine ser pego de surpresa num mata-leão. Pode ficar tranquilo. Já passei por isso e tive que bolar uma saída. Agora você vai saber a solução, graças a minha desventura.

9. Olha: se você não sabe escapar das várias maneiras como pode ser pego numa gravata, é melhor aprender, pois você provavelmente vai acabar enfrentando um judoca forte que vai te botar nessa situação.

10. Dentre muitas posições de guarda que ensinamos ao longo do curso, devo frisar o ataque e a raspagem com mão na gola – uma das preferidas do meu tio Rilion, e um jeito letal de defender a guarda.

11. Sabia que você pode até finalizar com a americana? E que – mais impressionante ainda – você pode fazer debaixo do seu oponente no cem-quilos?

12. Fundamentos. O curso “Dominando o Jiu-Jitsu” contém muitos fundamentos. Muitos, mesmo. De todas as coisas que listei, são essas que vão te fazer mais forte. Então, por favor, não as ignore.

13. Acho que eu já comentei, mas vale a pena falar de novo. O curso tem 225 (duzentos e vinte e cinco!) minivídeos?

Confie no conselho deste cinquentão: aproveite esta oferta-relâmpago e inscreva-se agora neste curso. Eu garanto que você vai melhorar teu jiu-jitsu.

Mas, se não melhorar, é só mandar um e-mail pro Luca. É só dizer que o curso é péssimo e que você quer o reembolso; você tem uma semana pra fazê-lo. Então não tem nada a perder. Inscreva-se agora e vire parte da nossa família.

Já se você gostar, por favor, diga-nos. Diga algo no Instagram sobre o curso, e marque as contas @gallerrapp e @renzograciebjj. Terei prazer em comentar e até repostar, se você for criativo.        

Te vejo no domingo.

— Renzo Gracie.     

P.S.1: Curiosidade: ganhei o primeiro ADCC em 1998 poucos dias depois de lutar contra o Sanae Kikuta no Japão por mais de 50 minutos. Neste domingo, serão 15 minutos, no máximo. A vida é bem mais fácil hoje em dia.

P.S. 2: Darei a um de vocês, autografada, a rash guard que vou vestir no domingo no ADCC. Se se inscrever até domingo no curso, você pode ser o ganhador. Corre lá!

Lutador mais novo da história do ADCC completa a lista do evento na Finlândia

Nycky Ryan (por baixo) em duelo sem kimono contra Kennedy Maciel, filho de Rubens Cobrinha. Foto: Gallerr

Lista fechada para o ADCC 2017, evento que rola neste final de semana, nos dias 23 e 24 de setembro, em Helsinque, na Finlândia. Após o entra e sai de atletas por conta de lesões e outros contratempos, a lista definitiva foi divulgada nesta quinta-feira, dia 21, e traz algumas surpresas.

Além da adição de última hora de Jackson Sousa, faixa-preta da Checkmat que assume a vaga restante na divisão até 99kg, no lugar do companheiro de equipe Luiz Panza, um jovem atleta americano entra para a disputa e já faz história no torneio.

Nicky Ryan, aluno de John Danaher na academia de Renzo Gracie, em Nova York, assume o último espaço na lista até 66kg. O detalhe a ser observado, porém, são os 16 anos de idade que a fera possui, que o torna o competidor mais jovem da história do ADCC.

Antes de Nicky, outro nome estava escalado para conquistar o mesmo recorde. Elisabeth Clay, vencedora da seletiva do ADCC e também de 16 anos, teve que sair da competição após se lesionar.

Nicky, irmão de Gordon Ryan, atleta que compete na divisão até 88kg, viajou para a Finlândia para acompanhar os integrantes da sua equipe e com a esperança de ter uma vaga no torneio. Com a saída de Justin Rader, o lugar ficou livre para Nicky assumir e batalhar pelo ouro com outros craques da divisão.

Veja a lista final abaixo e fique ligado no GRACIEMAG.com e em nossas redes sociais para saber de tudo sobre o ADCC 2017!

 

Até 66kg

Rubens Cobrinha
Uranov Zhakshylyk
Janusz Andrejczuk
Pablo Mantovani
Paulo Miyao
Yuta Shimada
Ethan Crelinsten
Kuba Witkowski
Geo Martinez
Augusto Tanquinho
AJ Agazarm
Baret Yoshida
Nicolas Renier
Kamil Wilk
Erno Elgland
Nicky Ryan

Até 77kg

Lachlan Giles
Tero Pyylampi
Mansher Khera
Felipinho Cesar
Marcelo Lapela
Osmanzan Kassimov
Vagner Rocha
Oliver Taza
Garry Tonon
Lucas Lepri
JT Torres
DJ Jackson
Celsinho Venicius
Leonardo Cascão
Enrico Cocco
Sergio Ardila

Até 88kg

Craig Jones
Jesse Urholin
James Brasco
Murilo Santana
Kaynan Casemiro
Kit Dale
John Salter
Piotr Marcin Frechowicz
Romulo Barral
Keenan Cornelius
Gordon Ryan
Pablo Popovitch
Xande Ribeiro
Leandro Lo
Dillon Danis
Rustan Chsiev

Até 99kg

Roman Dolidze
Kamil Uminski
Eliot Kelly
Mahamed Aly
Salomão Ribeiro
Yukiyasu Ozawa
Paul Ardila
Abdurakhman Bilarov
Yuri Simões
Dean Lister
Rafael Lovato
Felipe Preguiça
João Assis
Jake Shields
Mike Perez
Jeff Monson
Jackson Sousa

Acima de 99kg

Orlando Sanchez
Arman Zhanpeisov
Khamzat Stambulov
Tom DeBlass
Victor Honório
Hideki Sekine
Casey Hellenberg
Abdulaev Ruslan
Vinny Magalhães
Marcus Buchecha
Roberto Cyborg
Jared Dopp
Tim Spriggs
Janne-Pekka Pietiläinen
Bruno Bastos
Jesseray Childrey


Feminino

Até 60kg

Mackenzie Dern
Bia Basílio
Rikako Yuasa
Ffion Davies
Michelle Nicolini
Beatriz Mesquita
Talita Alencar
Elvira Karppinen

Acima de 60kg

Talita Treta
Tara White
Samantha Cook
Gabi Garcia
Jessica Flowers
Amanda Santana
Venla Luukkonen
Marysia Malyjasiak

Superlutas

Renzo Gracie x Sanae Kikuta
André Galvao x Cláudio Calasans
Chael Sonnen x Léo Vieira

A luta de Shamrock e Dan Henderson que inspirou a criação do ADCC

Renzo Gracie e Xeque Tahnoon em foto de Luca Atalla.

Contam que o príncipe Tahnoon bin Zayed, um jovem árabe cursando a universidade de negócios e finanças em San Diego, estava fascinado pelo Jiu-Jitsu, e sonhava promover um evento em que o os lutadores de Jiu-Jitsu se testassem contra craques de outras modalidades em lutas agarradas, sem soco ou chute, para que o duelo corresse (ou deslizasse) bem, com mais embolas e finalizações do que nocautes.

Primeiro professor do xeque, o faixa-preta Nelson Monteiro se recorda: “O Tahnoon sonhava em promover um evento entre as diferentes modalidades no seu próprio país, mas entendia que o seu pai, o rei Zayed bin Sultan Al Nahyan (1918–2004), não aprovaria um torneio com jeitão de vale-tudo, com sangue rolando.”

Foi quando surgiu na Califórnia o torneio Contender, em 1997, com duelos como a superluta sem kimono entre os bambas do MMA Frank Shamrock e Dan Henderson. Reza a lenda que Tahnoon teria ouvido falar do evento, curtido o formato, as regras e a repercussão. Estava, assim, criado o ADCC, que em 1998 levaria dezenas de campeões de Jiu-Jitsu, judô, luta olímpica e luta-livre a Abu Dhabi.

Reveja, às vésperas do ADCC 2017 na Finlândia, já na 12ª edição do torneio de Tahnoon, a luta sem pano (e com tênis!) que inspirou o mais charmoso e longevo dos eventos de luta agarrada.

Pages